Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Velhos.

por FJV, em 04.02.09

País de plástico e de acrílico. É isto que somos. Veja-se o relatório da DECO sobre o estado dos 'lares de idosos' (dar desconto à tentação de a DECO substituir a lei): insegurança, más condições e tristeza. No Portugalinho moderno, jovem, divertido, os velhos contam pouco; a linguagem oficial chama 'idosos' aos velhos e dá o nome de 'casas de acolhimento' aos lares – mas só muda os nomes, porque a indiferença, a insensibilidade e a ingratidão estão lá na mesma, aguardando que os velhos partam de vez sem incomodar as famílias. E para que se hão-de tratar bem os velhos? Precisamente porque um país que não trata bem os velhos não é bem um país: é uma coisa miserável que desconhece a gratidão e o conforto. O Estado, que gasta milhões a apaparicar os 'jovens', cada vez mais egoístas e arrogantes, devia pensar um pouco nos nossos maiores.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Os velhos, sempre.

por FJV, em 24.12.08

Segundo parece, o “jantar de consoada” é cada vez mais encomendado de fora ou servido nos hotéis. Nas sociedades tradicionais, as festas tradicionais são essencialmente domésticas, caseiras, familiares – e Portugal está a mudar de hábitos. Não vem daí grande mal, a não ser a revelação de que as pessoas já não sabem nem gostam de cozinhar. Ou não têm tempo para isso, porque trabalham muito. Também não têm tempo para os seus velhos, e isso é mais grave: por esta altura, há famílias que entregam os seus velhos nos hospitais e dão, em troca, números de telefone falsos para não serem incomodados. Uma sociedade sem generosidade nem compaixão, fria e sem paciência – e com vergonha dos seus velhos, que incomodam e relembram que todos morremos e envelhecemos. É um retrato abjecto.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.