Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Se a Rússia sobreviver.

por FJV, em 30.03.22

No Diário do Escritor (agora traduzido por Nina e Filipe Guerra, Relógio d’Água), escrevia Fiódor Dostoiévski: “Mais um confronto com a Europa está de novo em cima da mesa”, e “mais uma vez os europeus olham para a Rússia com desconfiança. Aliás, porque haveríamos de procurar a confiança da Europa? Será que alguma vez a Europa olhou os russos com confiança?” Estávamos em 1876, e o autor de Crime e Castigo comentava a guerra nos Balcãs contra a Turquia num fragmento em que se queixa de os russos serem vistos “como uns bárbaros que vagueiam pela Europa, muito contentes com a possibilidade de destruirmos alguma coisa em qualquer lado”. Dostoiévski é um dos sismógrafos para ler “a alma russa” (o outro seria Tolstoi, mas a sala está cheia de vozes). Enquanto neste momento se joga o destino da Rússia depois de os seus bárbaros terem andado à solta na Ucrânia, convinha que se olhasse para o futuro após Putin, que não sobreviverá muito tempo. As enormes perdas que se aproximam com o balanço dos horrores e da destruição causada são uma vingança a exigir reparação – se a Rússia sobreviver.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.