Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os norte-coreanos gostam muito de levar no toutiço.

por FJV, em 19.03.19

Jerónimo de Sousa filosofando sobre a democracia.

 

Em entrevista ao jornal Polígrafo, perguntado sobre se a Coreia do Norte é ou não uma democracia, o líder do PCP achou preferível discutir “o que é uma democracia”. É uma boa solução, tanto mais que Jerónimo de Sousa não diz nada sobre a sua ideia de democracia, mantendo assim uma nuvem sobre o delicado apoio ao regime de Kim Jong-un no contexto da guerra ao imperialismo ianque. Ora, interessa sabermos o que pensa Jerónimo de Sousa sobre a natureza da democracia norte-coreana? Sim, e muito. O PCP pode argumentar (com toda a legitimidade) que não morre de amores pela democracia como nós a conhecemos (eleições, liberdade de imprensa e de expressão, escrutínio popular) e que prefere, como se suspeita, um regime autoritário, disciplinado e militarizado. Só isso explica o acrisolado amor do PCP por Estaline, manifestado em cada efeméride ligada ao ditador. Claro que Jerónimo de Sousa diz que o seu modelo seria diferente do coreano “tendo em conta a nossa cultura, a nossa história, o nosso povo”. Ora aí está. É que ao contrário de nós, os norte-coreanos gostam muito de levar no toutiço.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.