Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os impérios e a história.

por FJV, em 28.07.22

A invasão da Ucrânia despertou algum interesse pela história, mas foi sol de pouca dura. O ensino público europeu dá cada vez menos espaço ao estudo da história. É um erro grave – e o resultado do sentimento de culpa insuflado hoje em dia no ocidente, que vive da retórica anti-imperial e onde a regra é a de pedir desculpa pelo passado.Uma suposta “nova ordem internacional” assenta na forma como se interpretam as heranças dos vários impérios, a começar pela violência da Rússia dos Romanov (1613-1917) e dos sovietes (1917-1986), mas também pelo da dinastia Qin (221 a.C-206 a.C) à Qing na China (1644-1912), pelo da ambição otomana de Erdogan (1299-1922) ou na dos domínios persas em torno do Irão (do Líbano ao Afeganistão) ou na Índia. Estas coisas aprendem-se no contacto com a história, que também ensina que a União Europeia agrupa antigos impérios (do de Carlos Magno aos Habsburgos ou à Prússia, por exemplo). A questão é distinguir-se a ordem imperial de outrora e a geografia da memória. Se o ocidente abdica da memória porque ela não está conforme às ideias de hoje, daqui a pouco não terá passado nem futuro.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.