Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O general Verão.

por FJV, em 19.07.22

Tanto os suecos (no século XVIII), como os franceses (Bonaparte, em 1812) ou os alemães (1943) experimentaram a força do “general Inverno”, o grande aliado da Rússia que derrotou exércitos e chefes militares otimistas. Temo que, desta vez, os russos agradeçam ao “general Verão” a desmobilização do interesse ocidental pela Ucrânia. Com o verão e as férias europeias, essa desmobilização deixa à solta, como um fantasma, a agressividade da invasão russa – que, além das cidades e das vidas destruídas, da fome e da ameaça a todo o mundo, arrasou bibliotecas, museus, edifícios históricos e religiosos, centros culturais, museus, escolas e universidades (os dados da UNESCO falam de mais de 300 locais de interesse cultural atacados ou destruídos). O ocidente, muito preocupado com as políticas identitárias e as pequenas “guerras culturais” sobre o que é “género” e o que é “sexo”, sobre o que é censurável, admissível e ofensivo, esquece esta verdadeira guerra cultural – a destruição massiva e propositada, orientada pelo aparelho militar russo em território estrangeiro. Esta é uma guerra verdadeira.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.