Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ler.

por FJV, em 12.03.20

Ultimamente temos lido mais. A culpa também é minha, porque estou a revisitar uma série de textos de Eça, além de me ter imposto a obrigação de ler outros que nunca tinha lido. Há uma grande alegria em ler autores que parecem ter inventado a língua que falamos; é como um prémio suplementar, uma recompensa. Agora, que vários leitores desta coluna estão de quarentena, talvez fosse bom selecionar uma espécie de “biblioteca do isolamento”. Na China, quando a epidemia se transformou numa tragédia, uma universidade de Pequim recomendou aos seus alunos que “lessem e pensassem”, e enviou-lhes listas de livros possíveis para os tempos graves que atravessavam. Durante a minha quarentena, que terminou há quase uma semana, trabalhei quase normalmente, li, arrumei a casa, descobri estes textos de Eça que nunca tinha folheado. Ontem, na sua crónica do CM, Manuel S. Fonseca falava de um vírus que anda a destruir os livros. Talvez estejamos a precisar de algum isolamento, para que se possa recuperar o gosto de ler, de reler e de sermos mais humanos ou, apenas, mais inclinados para o melhor lado da vida.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.