Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Lawrence Ferlinghetti fez ontem 100 anos.

por FJV, em 25.03.19

Lawrence Ferlinghetti fez ontem 100 anos. Falar deste novaiorquino que se estabeleceu em São Francisco (onde fundou a livraria e editora City Lights e foi cabeça de cartaz da geração Beat) é mais do que percorrer um século de literatura. Em Portugal há duas traduções de Ferlinghetti: um ensaio (A Poesia como Arte Insurgente) e uma antologia maravilhosa de cem páginas, Como Eu Costumava Dizer, traduzida em 1972 por José Palla e Carmo. Ferlinghetti é um caso à parte. O seu Coney Island of the Mind (de 1958) vendeu mais de um milhão de exemplares nos EUA, onde é uma espécie de grande decano da poesia, o herdeiro de Walt Whitman. Ferlinghetti é o lado tranquilo desses tempos. Os seus poemas são litanias onde ironia e melancolia nos chamam para cada passagem: “O mundo é um lugar maravilhoso/ para se nascer/ se as pessoas não se preocuparem demasiadamente/ com o facto de a felicidade nem/ sempre ser/ muito divertida.” Ou este começo, inesquecível: “Como eu costumava dizer/ o amor é mais difícil de nascer nos mais velhos/ porque já percorreram/ os mesmos caminhos muitas vezes.” 

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.