Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Hopper.

por FJV, em 22.07.22

Edward Hopper | Meer

Passam hoje 140 anos sobre o nascimento de Edward Hopper (1882-1967), um dos mais importantes pintores norte-americanos. Há pouco a dizer sobre os seus quadros, aos quais aderimos como uma sombra à procura do original: seres abandonados, envoltos em silêncio, lendo, bebendo, esperando, contemplando. Nenhum pintor conseguiu, como Hopper – que foi um mestre da melancolia americana – mostrar esse mundo urbano, solitário e cheio de cinema, transitando entre quartos de hotel, balcões de restaurantes, salas de leitura, compartimentos de comboios ou casas da Costa Leste, penduradas sobre o mar ou em pradarias e falésias indefinidas. As suas personagens parecem sempre suspensas e paralisadas, como se aguardassem alguém com quem possam dialogar no meio dessa geometria colorida e amável. Era fácil compreender estas referências no século XX; ao contrário das vanguardas em que cresceu, Hopper preferiu uma pintura figurativa, realista, a meio caminho entre a réplica fotográfica e a ilustração – nada disso o impede de ser absolutamente genial, deixando em cada quadro um rasto de beleza sem tormento.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.