Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Fukuyama.

por FJV, em 31.10.18

O novo e importante livro de Francis Fukuyama, Identidades(Dom Quixote), tem um esclarecedor subtítulo: “A exigência de dignidade e a política do ressentimento”. No fundo, explica como essa exigência transformou a política não apenas num combate de ressentimentos mas também de narcisismos. O narcisismo, como diz, não leva ao fascismo – mas “a um vasta despolitização da sociedade em que as lutas pela justiça social são reduzidos a problemas psicológicos pessoais”. Onde o Estado liberal do século XIX e do século XX tinha como função promover os direitos básicos, manter a lei e assegurar a educação, a segurança e a mobilidade – o Estado contemporâneo visa melhorar a autoestima dos cidadãos, falando-lhes docemente e tratando-os como pacientes numa sessão de terapia e aconselhamento psicológico. Absurdo? Não. Inclusive, os próprios eleitores ficam reconhecidos aos políticos quando eles mentem em serviço, desde que isso os faça sentir melhores, mais otimistas e sem insónias. O livro de Fukuyama mostra como a vida política se transformou num combate de ilusões perigosas. 

Autoria e outros dados (tags, etc)




Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.