Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Coragem.

por FJV, em 22.10.20

A publicação de O Cânone, com edição de António M. Feijó, João R. Figueiredo e Miguel Tamen (Tinta da China e Fundação Cupertino de Miranda) é um acontecimento de primeira ordem. Fico feliz – que é o estado em que por vezes um livro nos deixa. Este é o caso. Primeiro, porque reabre, para leitores de hoje, um debate sobre os autores fundamentais “do cânone”; depois, porque há muito que não se publicava um conjunto tão substancial de textos críticos, ainda por cima com uma qualidade assinalável; finalmente, porque, as questões colocadas sobretudo por António M. Feijó e Miguel Tamen põem em causa o discurso tradicional sobre a literatura portuguesa e a sua abordagem. O Cânone vai ser criticado por excluir autores consagrados (o que faz com grande coragem) – mas, como escreve Feijó de forma luminosa e provocatória, “não é um livro sobre o esplendor de Portugal, é um livro de crítica literária”. Há muitos méritos e bons autores (Pedro Mexia, Rui Ramos, Abel Barros Baptista, etc.) – mas o principal deles é o de incomodar bastante os bonzos, na ‘política literária’ e na, enfim, ‘academia’.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.