Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Cabo Delgado, má sorte ficar em África.

por FJV, em 31.03.21

Fossem de outro lugar no mapa os habitantes de Pemba, ou de Quionga, Palma, Maganja, Olombe, Calomba ou Assumane – e já haveria indignação portuguesa e resposta internacional aos alertas que desde há dois anos têm sido dados (e repetidamente) sobre a violência jihadista na província de Cabo Delgado, em Moçambique. Fossem, em vez de Moçambique, do Médio Oriente ou do Levante, ou da América Latina, para não mencionarmos a Europa, claro está – e as “entidades internacionais” já teriam respondido ao horror perpetrado na região. É claro que também seria importante que a União Europeia (sobretudo quando a presidência calhasse a Portugal, por exemplo) reagisse, como lhe compete, ou que as Nações Unidas (talvez se fosse um português na presidência) chamassem a atenção da opinião pública mundial sobre as matanças de centenas de inocentes abandonados e desprotegidos, que têm decorrido em Cabo Delgado perante a passividade mais ou menos geral. Finalmente, como um europeu foi atingido pela violência, a imprensa falou do assunto. São todos muito anti-racistas – mas ignoram África, naturalmente.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.