Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Barca d’Alva e a nossa soberania.

por FJV, em 02.04.19

Lembro-me de Barca de Alva durante a minha infância e adolescência, quando se faziam ligações ferroviárias para Espanha. Em dois verões seguidos fomos às festas no lado de lá da fronteira — e havia um restaurante na estação, aguardando pelos comboios. No fundo, foi por lá que Jacinto e Zé Fernandes entraram em Portugal, no romance de Eça de Queirós, A Cidade e as Serras. Hoje, descendo para Barca de Alva pela Serra do Reboredo (o meu caminho preferido), vê-se um casario reduzido, a prata do rio e os sulcos de olivais e vinhas. Mas a aldeia – que sempre foi pequena – quase desapareceu, incluindo a estação dos correios (um ilustre edifício abandonado e em ruínas). O cais tem dois ou três barcos de cruzeiro, de bom porte, mas há poucos turistas pela rua. Sentimental, imagino Guerra Junqueiro a passear nos amendoais (ele passava temporadas aqui, na sua quinta), e Jacinto e Zé Fernandes a despertar da viagem num dos comboios que já não passa em Barca de Alva (“Cheira bem!”, repete Jacinto pela milésima vez). A nossa soberania em Barca de Alva é um risco de melancolia.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.