Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ai, a leitura.

por FJV, em 17.02.22

Ontem, boa parte da imprensa e das pessoas bondosas e com boas intenções escandalizou-se com os números de um inquérito realizado pelo Instituto de Ciências Sociais para a Fundação Calouste Gulbenkian acerca dos hábitos culturais dos portugueses. A hipocrisia das televisões foi muito saborosa, sobretudo depois de, nos últimos anos, terem ignorado os livros na sua programação – e transformado tudo o resto numa variação de bailaricos e turismo serôdio. Lamento informar que os números não são novidade – nem mesmo a revelação de que 61% dos portugueses não leram um livro em 2020 (os dados do Eurostat desde 2010 que nos colocam em antepenúltimo lugar em matéria de leitura, apenas à frente da Roménia e da Turquia); revelam sobretudo que é necessário mudar a forma como a escola aborda a leitura depois de ter sido democratizada e tornada muito inclusiva. Com uma escola empobrecida, sem meios, burocratizada, sem incentivos, entregue aos mesmos responsáveis incultos de há vinte e trinta anos, não será possível criar novos públicos para a cultura. Por mais que “a cultura” cumpra o seu papel.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.