Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A pobreza intelectual, a pobreza dos intelectuais.

por FJV, em 10.12.21

A pobreza da vida intelectual portuguesa vê-se também nisto: nenhuma ideia nova – uma que seja, desde a reforma da segurança social à necessidade de discutir os currículos do ensino secundário ou o plano nacional de barragens – transpira dos debates que antecedem as eleições que vão ocorrer daqui a mês e meio. O que significa que os “intelectuais”, ensimesmados, não estiveram muito interessados em discutir a vida e a sociedade portuguesas e, em consequência, não conseguiram influenciar nenhum dos líderes políticos incumbentes. Nem ideias novas – nem ideias, em absoluto. De uma extrema-direita muito mais abaixo do que pateta e lorpa, até à extrema-esquerda populista e moralista, passando pela “disputa pelo centro” (que corrói todo o sistema político e entrega o poder a sardanápalos cumpridores), há um vento de deterioração: questões partidárias, partilha de poder, vaidades pessoais, cartilhas debitadas para a televisão, alheamento em relação aos temas do futuro. Cabe ao Presidente falar menos sobre o dia-a-dia e fazer da sua presidência um reduto contra a banalização. Urgentemente.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.