Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Discriminação.

por FJV, em 27.03.09

 

 

Leio no CM de ontem que a Playboy portuguesa pagará entre 30 a 50 mil euros a senhoras que aceitem posar (nuas, creio) para a revista. A Playboy brasileira, por exemplo, contribuiu mais para a minha formação intelectual do que, digamos, o cinema japonês – guardo algumas edições como recordação de adolescência e outras como travessura de adulto (se o leitor sabe quem são Luiza Tomé, Luma de Oliveira ou Fernanda Paes Leme, eu escuso de explicar mais). O problema é que a Playboy brasileira paga às suas modelos quatro vezes mais do que a portuguesa está disposta a gastar. Parece-me controverso e injusto, porque as portuguesas já não têm bigode nem são parecidas com os ancestrais minhotos. Há questões de Estado menos importantes do que esta. Nada de ferir o nosso orgulho.

[No Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)


15 comentários

Sem imagem de perfil

De Job a 27.03.2009 às 10:03

Pois, e aqui vai um dúvida travessa: e se a qualidade transatlântica valer quatro vezes mais?
Sim, não devemos ferir o nosso orgulho, as moças já não têm tanto bigode (em zonas permanentemente expostas), mas vamos correr na fórmula um com os nossos melhores UMM?
Sem imagem de perfil

De João Cunha a 27.03.2009 às 10:05

Já disse:
http://2orelhase1rabo.blogspot.com/2009/03/playpobres.html
Sem imagem de perfil

De Paulo Quintela a 27.03.2009 às 10:15

Pior se entende o preço ridículo da revista 'Maria', essa bíblia de costumes.
Sem imagem de perfil

De Dorean Paxorales a 27.03.2009 às 10:48


E a diferença ainda é maior quando se sabe que, no Brasil, posar para a Playboy é um sinal de consagração da actriz.

Mas convenhamos, a tiragem brasileira só pode ser para aí cem vezes mais numerosa, não? Sempre ajuda a pagar as contas...
Sem imagem de perfil

De MigPT a 27.03.2009 às 11:00

Concordo inteiramente. Proponho a criação da Entidade Reguladora do Serviço de Higiene Mental do Género Masculino (ERSHMGM) que entre outras coisas definirá as tarifas máximas a pagar em função das dimensões volumétricas dos modelos.
Sem imagem de perfil

De antonio a 27.03.2009 às 12:26

não será pq tem 4 vezes mais de leitores?
Sem imagem de perfil

De MGP a 27.03.2009 às 12:59

Não vai haver nudez (integral) na "nossa" Playboy... :-(
Sem imagem de perfil

De douro a 27.03.2009 às 15:13

Assim sendo, acho que é de propôr uma adenda urgente ao acordo ortográfico, para harmonizar estes acentos. Que lhe parece?
Sem imagem de perfil

De nobigdeal a 27.03.2009 às 15:17

e quanto recebem quando posam prá national geografic? ;)
Sem imagem de perfil

De Bonaparte a 28.03.2009 às 14:35

Sorry, Luís (Fernando Veríssimo), vou beliscar os seus direitos de autor, perdoe-me...:

"O aparecimento dos primeiros pêlos pubianos na Playboy americana foi um marco na história da hipocrisia ocidental. Durante muito tempo, uma das razões do sucesso da revista National Geographic Society era que nas suas páginas os americanos poderiam olhar fotografias de mulheres nuas e dizer que era interesse antropológico. As mulheres eram nativas de lugares exóticos, quase sempre de pele escura, estudá-las não requeria culpa nem dissimulação. Até o surgimento da Playboy, peitos nus, vendidos por cima do balcão, só os da National Geographic. Não por acaso, a primeira mulher a aparecer na Playboy completamente despida – seja, despida até dos recursos usados até então para tapar e disfarçar pêlos pubianos – foi uma modelo negra. Uma volta às «nativas», para a transição não chocar tanto."

In Sexo na Cabeça, página 93.
Sem imagem de perfil

De Luís Caetano a 28.03.2009 às 03:04

As grandes obras de arte são para guardar...entre as minhas está a edição com a Bruna Lombardi, que até mereceu suplemento especial...priceless!

Comentar post


Pág. 1/2




Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.