Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Quinta frase, pág. 161.

por FJV, em 09.03.09

Em resposta ao Pedro Correia, aqui está o texto da página 161 do livro que tenho mais à mão nestes dias:

 

«Mis preocupaciones arrojan mi corazón,/ como una vela a la nave – en un día de tormenta – impulsa./ Está escrito en el libro de Dios que vague/ Mi alma, que deambule por todos los países./ Todo el que fue condenado a vagar, habrá de vagabundear/ como Caín, y de huir, como Jonás.»

 

Não é a quinta frase, que não existe, mas é toda a página 161: um poema de Samuel ibn Nagrella ha-Nagid (933-1056), poeta e comentador do Talmude, nagid das comunidades sefardis. Viveu no Andaluz, naturalmente. O poema faz parte da magnífica antologia Locus Amoenus (Antología de la Lírica Medieval de la Península Ibérica), organizada por Carlos Alvar e Jenaro Talens (edição espanhola, Galaxia Gutenberg), que transcreve as várias tradições linguísticas da Península: latim, árabe, hebraico, moçárabe, provençal, galaico-português, castelhano e catalão.

 

O desafio segue, agora, para o Filipe Nunes Vicente, Manuel Jorge Marmelo, Tomás Vasques, José Mário Silva e Rui Bebiano.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.