Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Resistência.

por FJV, em 04.03.09

Consigo resistir a várias coisas. Resisto a algumas delas com bastante dificuldade. Mas nunca consigo resistir a isto.

Autoria e outros dados (tags, etc)


15 comentários

Sem imagem de perfil

De Margarida a 04.03.2009 às 19:52

Irresistíveis, realmente...
Quentes, então...; aquelas nuvenzinhas moleculares perfumadas a puxarem-nos os sentidos todos e abandeja a crescer a olhos vistos e estes a abrirem-se para aquele oiro palhoso e...
Ali, onde isto foi gostosamente disposto, tudo transcende...
(digo eu, confessa súbdita eterna )
Sem imagem de perfil

De José Leandro a 04.03.2009 às 20:38

Também só não resisto, como gosto de os fazer acompanhar de um bom vinho do Porto! O PORTO, pois claro!
Sem imagem de perfil

De henedina a 04.03.2009 às 22:07

Se gosta de massa folhada com muita gordura e carne, que tal as frigideiras de Braga que tem um pouco menos gordura que estas? Com vinho branco...

Acho que não resiste a muita coisa.
Estou até a pensar que resiste a pouca coisa.
Será que resiste a alguma coisa?
:)
Sem imagem de perfil

De Liene Márcia a 04.03.2009 às 22:47

Inevitavelmente somos colocados diante de provações dos mais variados tipos e situações. Confesso que, no quesito gastronomia, as tentações são muitas e, divinamente irresistíveis!
Deu água na boca...
Sem imagem de perfil

De Draguinho a 04.03.2009 às 23:03

E uns cubilhetes na Gomes (abrir bem o "o") em Vila Real?...
Sem imagem de perfil

De João a 05.03.2009 às 01:35

E então se forem os da Padaria Ribeiro....acabadinhos de sair....é CRIMINOSO resistir!
Sem imagem de perfil

De Vicente a 05.03.2009 às 08:52

E podem comprar-se congelados (crus) e guardar-se no gulag lá de casa. Quando vierem os apetites, ou visitas, é só meter no forno já bem quente, a 200 graus durante 20 minutos.
Para quem viva exilado é uma boa alternativa.
Vicente
Imagem de perfil

De FJV a 05.03.2009 às 13:22

É o que eu faço, é o que eu faço...
Sem imagem de perfil

De Draguinho a 05.03.2009 às 16:52

Aonde, aonde?
Sem imagem de perfil

De nuno ferreira a 05.03.2009 às 20:25

Oh senhor Francisco, eu cá não resisto é uma boa feijoada à Beirã mas concordo que se vc nã resiste, a gente também nã resiste porque gostamos muito de si e dos seus livros e programas na radio e na televeja e das suas revistas e comentários e de o ver em todo o lado como Deus Nosso Senhor. Melhor que vc só o Fernando Mendes todos os dias no Preço Certo!!!
Sem imagem de perfil

De jcb a 06.03.2009 às 00:56

http://chaves.blogs.sapo.pt/263798.html


Um ex-amigo meu dizia-me «que raio de cidade

que tem nos pasteis e em trajano

os seus maiores símbolos»?

Estamos, quanto a trajano, conversados: nasceu

por cercanias de sevilha

com o currículo genealógico que se sabe, lutou com

imensa glória e nunca visto poderio de

armas contra os coitados dos dácios, e a tanta

riqueza dos saques e vilanagem serviu

na sede do império além das pulseiras abundantes

de ouro para as jovens e belíssimas romanas

a boa arquitectura e muita obra pública a esmo e

em chaves enfim a ponte romana que

vai da madalena ao arrabalde

para constar dos brasões e dar o nome do

propriamente dito imperador a uma pensão do meu tempo

em que uma vez a noite

toda não dormi. Dou de barato, pois, apesar

de tudo, o símbolo. Agora

não me toquem nos pasteis de chaves.

Destruam-me a reputação e a biografia, mas

não me toquem nos pasteis de chaves.

A fernanda do arsénio bem sabe

quando chego do sul a correr

o que lhe peço vindo de súbito

para a mesa a imperial: um pastel de carne.

E ela bem sabe a tristeza de recentemente saber que

a princesa deixou de remeter

os ditos à vila: as finíssimas películas de massa

folhada desfazendo-se num estalido

ao toque mínimo. E que dizer

dessa arte de juntar a água à exacta temperatura (nem muito

fria nem muito quente) à farinha

amassada com os ovos? E que dizer da massa (finíssima

sempre) que depois se estende com o rolo

num rectângulo? E que dizer das quatro

indispensáveis operações

de meter a manteiga barrada e enrolar

e estender de novo na tábua? E da precisão

dos cortes, que dizer? E das

recheadas rodelas de carne picada

dobradas a meio

e do modo como a pressão é exercida

evitando tocar nas pontas

sobre essa parte específica? E do jeito como vai

ao forno? Que dizer da arte sublime de ver depois

nos tabuleiros o pastel de chaves?

Quantas cidades davam por tanto

menos serem assim no mundo reconhecidas

por quem ama

a sua cidade?

Tirem-me tudo. Rasurem a precária biografia

dos meus anos e vilipendiem trajano

e o império. Mas

não me toquem nos pasteis de chaves.
Sem imagem de perfil

De Margarida a 06.03.2009 às 13:30

Dude! You'tre killing me here!!!!
Sem imagem de perfil

De henedina a 06.03.2009 às 22:27

:)
Sem imagem de perfil

De sandra a 07.03.2009 às 13:06

Pasteis de Chaves.
Adoro.
A minha mão costuma comprar congelados às caixas. Depois trago para Lx. E sempre que me apetece é só ligar o forno.
Assim, recorda-se a nossa terra.
Mas já ouvi dizer que em Almada há um café que também os faz e os donos são de Chaves.
Tenho de passar por lá.

Comentar post


Pág. 1/2




Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.