Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Voto presencial, sim, eu sei.

por FJV, em 05.02.09

Se há coisa que «não compreendo» (é uma maneira de dizer) é o esforço de José Lello e da esquerda para justificar o voto presencial dos emigrantes a todo o custo. Trata-se de uma manobra do mais puro oportunismo e mapeamento eleitoral. E ridícula no tempo do choque tecnológico. Não vale a pena mencionar, sequer, o empobrecimento da rede consular, a falta de apoio aos portugueses lá fora, ou enumerar os argumentos usados pelo Presidente. Bastaria, até, esse argumento usado pelo Tomás Vasques.

Autoria e outros dados (tags, etc)


6 comentários

Sem imagem de perfil

De martins a 05.02.2009 às 09:56

Então como é que você justifica o voto obigatoriamente presencial para a presidência da república e para o parlamento europeu?
Sem imagem de perfil

De Diogo Vasconcelos a 05.02.2009 às 10:04

O Voto Electrónico foi testado em Portugal - cf http://www.epractice.eu/document/1070 e ainda
http://tinyurl.com/cdb e http://tinyurl.com/ae63bo.

Relativamente às Comunidades, foi feita em 2005 uma Iniciativa de Voto Electrónico Não Presencial para os cerca de 148.000 eleitores portugueses
residentes no estrangeiro e aptos a votar. Foi ainda feita uma inquirição aos eleitores participantes nas iniciativas realizadas, garantindo o conhecimento
sobre a posição do cidadão face a esta temática.
Foi desenvolvida uma auditoria realizada por equipas multidisciplinares de várias universidades portuguesas a todas as iniciativas realizadas, garantindo uma análise crítica e uma reflexão profunda a todo o processo, com especial destaque para a segurança e usabilidade das plataformas
tecnológicas utilizadas

Leia-se o que está escrito no Relatório de Actividades da UMIC (de Nov 2002 a Julho 2005):

"Pela primeira vez em Portugal foi testado o voto electrónico por Internet junto das Comunidades Portuguesas no Estrangeiro. Esta ferramenta pode tornar-se bastante útil no futuro para diminuir a abstenção junto das comunidades e dar-lhes a oportunidade de votar ao mesmo tempo que os eleitores residentes no território português. Permitirá ainda acelarar o apuramento final dos resultados eleitorais cerca de duas semanas. Os eleitores dos dois círculos de eleitores internacionais (Europa com cerca de 76 mil eleitores e Fora da Europa com cerca de 72 mil eleitores) receberam em suas casas um código de utilizador que, juntamente com o número
de eleitor dava acesso à plataforma web de votação onde os cidadãos podiam exercer, não vinculativamente, o seu direito de voto. Cada voto foi depositado numa base de dados certificada digitalmente. A chave privada de desencriptação foi repartida pela Comissão Nacional de Eleições e pela Comissão Nacional de Protecção de Dados. Só com a junção destes dois organismos foi possível abrir os votos.
Os emigrantes portugueses aderiram ao projecto, obtendo-se 4.367 votos de um total de 38 países, sendo 2.881 do círculo da Europa e os restantes do círculo de Fora da Europa. Na vertente não presencial do voto electrónico, as pessoas foram também convidadas a responder a um questionário sobre a experiência que demonstrou que a quase totalidade dos votantes estaria disposto a votar desta forma em futuras eleições.
Cerca de 98% considera esta forma de votar simples e rápida, sendo que 58% vê o voto por Internet como uma forma segura de votar. Os participantes que não consideram o sistema seguro, consideram que a maior dúvida é se o sistema resiste a ataques de piratas informáticos. A grande maioria dos participantes dispõe de ligação à Internet em casa e tem entre 36 a 65 anos. Todo o projecto 2005, nas suas vertentes presencial e não presencial foi auditado por uma equipa da Faculdade
de Engenharia da Universidade do Porto."

Cf
http://www.e-voting.cc/static/evoting/files/falcao_leitao_portugal_145-154.pdf

O projecto foi abandonado, não sequer se prossegui no processo de teste/aprendizagem/sensibização.

A utilização das TIC para fomentar o voto nas eleições nas Comunidades constava no programa do actual governo, como refere o Presidente no excelente texto que acompanho este veto. Um sistema robusto de VE é claramente mais rigoroso que o sistema de voto por correspondência.
Sem imagem de perfil

De joaquim azevedo a 07.02.2009 às 15:06

Não se compreende como para umas eleições o voto tenha que ser presencial e para outras não. Isto o PR não explica. A comunidade emigrante, como é sabido, está a "marimbar-se" para os actos eleitorais de Portugal. Basta ver quantos são, quantos se inscrevem e quantos vão votar. O problema tem muito daquilo que é o "ser português". Para ver jogos da selecção de futebol a milhares de quilómetros de distância os emigrantes mobilizam-se em número, vontade e fervor patriótico que quase nos deixam "comovidos" com tanto "amor à Pátria". Para participar em actos eleitorais "Ah. É muito longe". Fazem lembrar aquelas senhoras e senhores idosos que vão a pé cumprir promessas à Nossa Senhora de Fátima e depois ficam a olhar de soslaio para "o jovem" que não lhes oferece o lugar sentado nos transportes públicos.
Sem imagem de perfil

De baladupovo a 07.02.2009 às 19:17

Sou a favor do voto presencial em todos os actos eleitorais, inclusive nas presidenciais (bem..para estas já não é possível a "carta escrita" desde 2000 ou 2001, mas Cavaco não quis afrontar o Governo com a sua "coerência" não é!)
Já Cristo dizia..."não escandalizeis as crianças pois dos seus lábios saem orações perfeitas"...e foi mesmo uma criança que ouvi dizer a propósito do veto de Cavaco:
" ó papá sabes porque é que o Sócrates quer o voto presencial? É que assim fica mais difícil fazer batota!"
Sem imagem de perfil

De Maria a 09.02.2009 às 07:22

Ola',

A mim nao me parece nada descabido defender o voto presidencial dos emigrantes, muito pelo contrario.
Eu nasci em Portugal, tenho nacionalidade Portugesa e vivi a maior parte da minha vida em Portugal. Mas neste momento encontro-me a viver do outro lado do mundo. Deslocar-me a Portugal para o simples acto de votar, ou ainda mais importante para visitar a familia, e' impossivel neste momento. Nao me parece que as circunstancias justifiquem o nao poder exercer um direito que devia ser de todos os Portugueses, sem discriminacoes de qualquer tipo, mesmo aquelas que se impoem por limitacoes espaciais e economicas. Muito menos na epoca em que vivemos com tantos recursos informaticos que permitem tudo ou quase tudo. Penso que o facto de estar ausente do territorio nacional nao devia ser um constrangimento, e nao me deveria impedir a mim ou a qualquer outro cidadao nas mesmas circunstancias, de poder exercer um direito.
Sem imagem de perfil

De joaquim azevedo a 10.02.2009 às 15:57

D. Maria, a questão não é ter que vir votar a Portugal. A Srª não entendeu o problema. Trata-se apenas e tão só de saber se é mais "limpo" votar no país onde estiver mas deslocando-se a um Consulado, Embaixada ou outro (voto presencial) ou, em alternativa votar por correspondência. Eu penso que o voto por correspondência é mais propício a inverdades, digamos assim. E a srª o que acha?

Comentar post




Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.