Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Disciplina.

por FJV, em 28.12.08

Não se pode pedir disciplina, porque é uma palavra de imbecis, segundo ouvi hoje na rádio. O caso da Escola do Cerco do Porto, não vale a pena exagerá-lo ou ceder à tentação da disciplina. Que uma professora seja ameaçada, isso é um pormenor nas estatísticas anuais. Também não se pode dizer que os miúdos andam mais mal criados, porque isso é desconfiar das novas gerações. A fabulosa responsável da DREN pergunta se nós nunca fomos adolescentes ou tivemos uma brincadeira na sala de aula; apetecia-me responder que já fui adolescente e que tive brincadeiras na sala de aula, mas incomoda-me que as brincadeiras de hoje sejam assim. Estamos definitivamente ultrapassados pelo andar dos tempos, pelas novas pedagogias, pelos interesses das Associações de Pais e pela necessidade de arranjar culpados que não apontaram uma arma de plástico à professora. Bom, a professora é culpada, não há dúvida, porque não conseguiu motivar os alunos de forma criativa e «inclusiva». De facto, a culpa também é dos telemóveis, porque permitem pôr estas imagens no You Tube. Como diz a fabulosa responsável da DREN, «no Norte acontecem sempre coisas no último dia de aulas», é Natal, ninguém leva a mal. Entendam-se.

Autoria e outros dados (tags, etc)


15 comentários

Sem imagem de perfil

De hajapachorra a 29.12.2008 às 13:45

É injusto: tantos acidentes na quadra natalícia, tanta alma generosa atropelada e a D. Dren continua de boa saúde. O crime descompensa.
Sem imagem de perfil

De Fátma a 29.12.2008 às 22:02

Olá, sou a Fátima
As pedagogias da DREN também me surpreendem! Só falta dizerem que têm que começar pelas pistolas de plástico para chegarem às reais...Já nada me admira. Quando chegar essa altura só espero que quem está hoje na DREN ou em locais de chefia esteja a dar aulas e a enfrentar situações semelhantes. Mas como a memória é curta... nessa altura a opinião certamente não será a mesma, não achas Chico Zé?
Sem imagem de perfil

De Jorge Bicho a 02.01.2009 às 12:52

A qualidade de um país deve ter vários indicadores, mas quando se confunde como em Portugal, ensino e educação, tudo está mal. Confunde-se poder com autoridade, confunde-se respeito com tradição e conservadorismo. Fico espantado quando vejo como em países mais atrasados que o nosso, as escolas são lugares onde o ensino é pobre, mas se percebe o respeito e a educação. Como nos mais recônditos lugares, a família e as gerações mais novas garantem a preservação dos valores da família, do culto dos mais velhos e das sua mais valia. Nós somos um povo sem visão. Amordaçado aos modernismos, ao que se importa doutros lados, achando que é bom, apenas porque vem lá de fora. Houvesse um homem ou mulher que viesse de novo, que nos trouxesse pela primeira vez, uma VISÃO que nos explicasse o que queremos do futuro, ou se nos deixamos ficar ao colo de uma Europa onde ainda não aprendemos a ser quem sempre fomos.
Portugal é na maioria das vezes uma mentira, como alguém já disse, o que não passa na TV - não existe. E como a TV é cada vez mais um local onde se cultiva a ignorância e se marginaliza a verdade, a poesia, a credibilidade, os Homens e as Mulheres autênticos, deixamos que meia dúzia nos digam o que é a verdade deles e apareça a terrível frase da boca destes patetas - os portugueses sabem, os portugueses conhecem ou reconhecem , blá blá blá
Sim é preciso disciplina, sim é preciso refazer estes muros, para perceber como se vive em sociedade.

Comentar post


Pág. 2/2




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.