Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Economia pública, 3.

por FJV, em 12.10.08

Os portugueses de outros tempos dividiam as sardinhas e sabiam que tanta comida devia servir para tantas refeições. Pelas minhas contas, depois de uma pesquisa bibliográfica, o último livro sobre cozinhar com «aproveitamento de restos» é dos anos setenta, e compra-se (vi lá dois exemplares) em Lisboa na Livraria Barateira. António Barreto falava de uma «década prodigiosa» em que os portugueses mudaram a sua vida e compraram electrodomésticos, foram a restaurantes e mandaram os seus filhos à universidade: estavam no seu direito, num mundo que tinha tudo e em que «o tudo era todo nosso». Sou desse tempo, anterior ao paraíso. Havia o assado ao domingo, sabíamos o que era um farnel e não protestávamos muito diante da comida da cantina da escola. Também visitávamos asilos, lares e hospitais. Durante a guerra, a minha avó recriou dezenas de receitas de sopa – são um prodígio gastronómico – e a primeira pasta fresca que comi não foi num restaurante italiano mas na varanda da casa, no Douro, feita por ela (aprendera a prepará-la durante a Guerra). A economia doméstica, desde então, mudou muito e assemelhou-se à «economia pública», com os seus níveis de desperdício, gasto e transfusões bancárias. O princípio a abater era, necessariamente, o da contabilidade salazarista – «não gastar mais do que se ganha», essa moral pequenina. E havia sempre o futuro, essa espécie de ameaça, de incógnita: uma doença inesperada, um filho na universidade, um azar. Antes do paraíso terreno, a vida era muito pequena e modesta. Que me lembre, ao ler os últimos vinte anos da literatura portuguesa (cada um tem as suas fontes), há muito glamour e dívidas aos bancos, viagens ao Índico e a Nova Iorque, casas copiadas das melhores revistas de arquitectura e um linguajar que nos não pertence. Mas não há portugueses modestos, pequeno-burgueses, daqueles que vão à pesca e sonham em passar uma tarde na Ericeira ou em Mira. Todos sonham com iPhone e, segundo me diz o meu merceeiro, já houve quem fizesse reserva de Beluga para o próximo Natal, porque não está para «os problemas do ano passado». Razão tinham os pessimistas de serviço quando Guterres repousava sobre aquele retrato de portugueses a passar fins-de-semana no Algarve e a encher as lojas de telemóveis. Estava escrito.

Autoria e outros dados (tags, etc)


12 comentários

Sem imagem de perfil

De carlosbarbosaoli a 12.10.2008 às 17:24

Se a comunicação social portuguesa não tivesse olhado para o "Corralito" como um acidente em terra de pobres, talvez os portugeses tivessem despertado um pouco mais cedo para a realidade.
Agora é tarde, mas não tenho grandes dúvidas que osportugueses se vão continuar a endividar para passar férias nas Caraíbas, porque essa coisa de ser "povo" sem direito a uma semana em lugúrios de capa de revista cor de rosa, não encaixa muito bem com o novo riquismo pedante que Cavaco iniciou com os frigoríficos, Guterres deu continuidade com o apanágio do recurso ao crédito barato e Socrates cuminou com a febre das TIC.
Venha daí o dengue, para ver se extermina o bacoquismo nacional.
Sem imagem de perfil

De maria a 12.10.2008 às 19:08

Tem toda a razão. Faço os possíveis , cada vez mais , para cultivar o antidesperdício , por várias razões , além da económica , uma delas é o lixo inútil , o número espatafurdio de coisas com que sufocamos o mundo .
E mais , sempre me fez imensa confusão o orgulho com que muitos exibem os cartões de crédito , para mim significa apenas que ficam a dever e não vejo motivo algum para peneiras , pelo contrário.
Sem imagem de perfil

De Victor Gonçalves a 12.10.2008 às 19:59

Obrigado por nos recordar esses tempos de eficiência forçada. Há neles simultaneamente o heroísmo dos que se amanham com o que têm, e a prudência exagerada que estagna o mundo.
Sem imagem de perfil

De mar aravel a 12.10.2008 às 21:54


Parece que a história

se repete

Sem imagem de perfil

De Miguel Pires a 13.10.2008 às 00:26

E por acaso o Francisco não quer partilhar conosco as receitas de sopas da sua avó?
Sem imagem de perfil

De C a 13.10.2008 às 17:18

Eu diria antes, convidar-nos para as comer.
Toca-lhe!!!!
Sem imagem de perfil

De Whats In a Name a 13.10.2008 às 05:40

Mas os portugueses "desses tempos" também são os portugueses destes tempos. São os mesmos que falam desse tempo de contenção e que contam estórias de fome emoldurados por laranjeiras carregadas de laranjas doces e sumarentas mas com um copo de Ice Tea ou uma Coca-cola na mão. - Então e as laranjas? - Ah, já não há quem as apanhe [e eu está quieto, pois claro, que trabalhar faz calos!]. :)

Sem imagem de perfil

De Daniel Rodrigues a 13.10.2008 às 10:19

Subscrevo o Miguel Pires... venham daí essas receitas deliciosas! :)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.10.2008 às 22:25


«Chegou à cervejaria-marisqueira ao quarto para a uma e ofereceu-se aquele que só não era o seu maior prazer literário por ser, de facto e deveras, o único. A leitura, em verso livre, da ementa.
A primeira estrofe abria caldos, açordas e cremes. Um fio de ervas aromáticas doía uma dor fina través essas águas que ressumavam a higiene visceral do pescado. A ideia de moles moluscos partilhando a piscina quente da malga com fibra de peixes caldeirados tornava-se-lhe todo um cerrado monoideísmo de que só lograva largar-se a muito custo.
A segunda estância do cardápio alinhava uma tábua constitucional cujos artigos teriam nadado muito e muito antes de o poeta da ementa e de o cozinheiro seu declamador os terem fixado para sempre em substantivos de uma suculência inelutável: tamboril, robalo, linguado, cherne, dourada, salmão, salmonete, rodovalho, congro, safio, choco.
Já a este ponto da decifração da carta se tornara impossível a António Tomás pôr sopremo ao fervilhar das papilas gustativas, esse campo de morangos para sempre a que ele, desencabrestado de todo, propunha já a terceira canção. Posto que a apoteose marinha não era solipsista, o poemenu descambava em carnificina: um rosbife túmido e mal passado como um beijo, uma região de vaca afrancesada o suficiente para que lhe chamassem chateaubriand, as costeletinhas de borrego escovado por uma caspa de limoeiro, o honestíssimo e jucundo lombo assado, o bife à Casa que era prego por cravar o cristão céu-da-boca e o agnóstico palato ao lenho da eternidade, o bife tártaro em hordas corredoras de estepes e a sempre moranga costeleta de novilho que, pelo cravo do vacum, muito ajudava a exilar a rosa porcum do poemário de cervejarias forradas por dentro a azulejo fresco como coração de viúva nova.
António Tomás abençoou, comendo durante, os bons préstimo de Jesus Duque e seus candelabros de prata e sua margem de lucro e seus candelabros de lucro e seu lucro que em prata davam tão boa margem de cervejaria-marisqueira. Os cubos de pão torrado bebiam sozinhos o creme de frutos-do-mar, permitindo-lhe para sempre a introspecção rápida do espumante gelado e a consequente extracção do cérebro pelo nariz como na técnica balsâmica dos faraós.
Finíssimas fatias de presunto, bêbedas da poesia pura do puro sumo de melão, lavavam a boca entre as atrocidades dentais, das que menor não foi a ingestão, sem guarnições tolas de acréscimo, de um linguado de longitudinal fractura exposta à manteiga e à salsa, sentido o humílimo parentesco desta com o trevo-mijão.
A toalha, branca de neve, dispunha anões solícitos e sete: a tacinha de estanho com o detergente digital ungido de limão químico; o recebedouro de caroços cuspidos sem banda sonora; o cinzeiro terminal para o cubano filosófico; o pratito quase proletário de manteigas de alho e queijitos de cabra em série; o guardanapo de linho pesado como um dote de arca ou um cinzeiro de grés; a chapa perfurada com o número da mesa; e a mão esquerda de António Tomás, que, sufocada até à gangrena pelo anel matrimonial, ourejava em vão o prol de um amor extinto.»

em, Terminação do Anjo, de Daniel Abrunheiro.


Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.10.2008 às 10:39

Ah, Mira...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 14.10.2008 às 17:03

O "meu" merceeiro não tem beluga. Só sardinha, mesmo. E em lata...

Comentar post


Pág. 1/2




Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.