Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Escrever em quartos de hotel.

por FJV, em 20.08.08

O Rui Bebiano publicou um post sobre quartos de hotel – ou melhor, sobre o que está em desuso nos quartos de hotel. O Rui fala de «papel e envelopes timbrados para escrevermos cartas, e até, como me aconteceu há dias numa cidade do norte, folhas de papel mata-borrão». Acontece que escrevo cada vez menos ao computador e cada vez mais em cadernos e blocos (ou em folhas soltas); e, ao contrário do que o Rui sugere («à excepção de certos dirigentes do CDS, ninguém se sirva já em viagem de canetas de tinta permanente») eu escrevo com canetas de tinta permanente, as três cada vez mais inseparáveis clássicas (Waterman, Pelikan e Parker, nada de Montblanc).

 

 

 

É raro encontrar pessoas que escrevam com tinta permanente (mesmo não sendo «certos dirigentes do CDS...») e que não tenham sucumbido (ou, vá lá, não se tenham adaptado) à regra de escrever tudo no computador. Eu escrevia, sim – mas voltei atrás. Há um prazer raríssimo na caligrafia, no desenho da letra, na própria escolha da cor da tinta permanente (preto, azul ultramarino, azul escuro, sépia), na preparação do acto propriamente dito: o estojo com as canetas, os blocos ou cadernos, o cinzeiro e as recargas ou tinteiro. Curiosamente, foi num desses quartos de hotel que reaprendi a escrever à mão, com maiúsculas e minúsculas, sublinhando, desenhando setas, reenvios.

Um dia dirão que é anti-planeta gastar papel nestas coisas.

Autoria e outros dados (tags, etc)


17 comentários

Sem imagem de perfil

De Margarida Pereira a 20.08.2008 às 10:34

Apologia nostálgica ou resistência fera à velocidade dos tempos? A rapidez e ‘limpeza’ que se nos exige hoje, requer digitação, auto-corrector, teclas eliminadoras, avisos e inflexões gramaticais velozes.
Até a poesia chega a ser contrariada pelo alerta de que aquilo é ilógico.
A máquina, imbuída de nobre propósito que seja, a encaminhar firmemente o homem na senda do futuro asséptico, prático, formal.
Resistir é retornar. Recuperar. Marginalizar o presente aos limites passados. Respirar antes do pulo. Da fuga. Do, eventual, nada.
Aprender novamente os rituais, dominar a ânsia, desenhar a emoção. Redescobrir a letra perdida, despistada, incoerente, hieroglífica, já. Treinar o esquisso, abrir portadas para novas paisagens interiores. Sorrir ante descobertas inesperadas. Ouvir outras vozes, dentro da nossa.
Correr atrás dos sentimentos escondidos. Fascinarmo-nos com o novo-velho.
Ouvir o risco da cana no papiro.
Inovar tradicionalmente.
Renascer.

Comentar post



Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.