Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Moscavide e o calor.

por FJV, em 29.04.08
Parece que, em Moscavide, aconteceu o absurdo: um homem de 20 anos dirige-se à esquadra da polícia para queixar-se de uma agressão de que fora vítima. Uma pessoa espera sentir-se a salvo dentro de uma esquadra. Não foi o caso – os agressores entraram na esquadra e completaram o serviço com mais pancada à discrição. A ser verdade que isto aconteceu às portas de Lisboa, trata-se de uma bela encenação que merece uma explicação do ministro da Administração. Escrevo «a ser verdade» porque não me parece crível que dentro da esquadra estivesse apenas um agente, um solitário agente da polícia, incapaz de repelir o assalto de um bando de energúmenos. O comando da PSP de Lisboa explica que havia muitas pessoas na rua e que as temperaturas estavam elevadas – de modo que ficou apenas um agente na esquadra. É uma explicação confortável e aceitável. Quando chegar o Verão e houver ainda mais gente nas ruas de Moscavide, a esquadra vai ser entregue a um grupo de baile. Está na cara.
[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De AAAS a 30.04.2008 às 11:37

Desculpe-me o comentario tardio e extenso, mas parece-me que tanto o Francisco, como muitos outros comentadores estão a falhar uma apreciação à parte mais obvia deste triste episódio.
A história é efectivamente verdade, e o próprio ministro já veio publicamente afirmar que ele, assim como todos os portugueses, não acha aceitável que esquadras de policia tenham apenas um agente.... Devo deduzir que dentro em breve sairá uma deliberação indicando que cada esquadra passará a ter pelo menos 2 agentes! Presumo que assim um poderá ficar a tentar fechar a porta, enquanto o outro telefona... para a policia!!

A questão que me parece fundamental compreender é porque não reagiu o agente que lá se encontrava.
Ou seja, uma esquadra de policia está a ser atacada e assaltada, um cidadão está a ser agredido, o agente está sozinho, logo deve ficar impávido e sereno?!
Ninguém repara nisto? Consideram natural que face ao facto de os atacantes serem muitos, ele fique parado?
E isto foi dentro de uma esquadra, imagino caso semelhante na via publica...

Não sugiro que o agente deva começar a balear na cabeça todos os assaltantes... mas forçosamente tem de tomar alguma medida! Que dispare para o tecto e se necessitar de balear alguém para parar aquilo, que o faça! Ele está armado precisamente para poder lidar com situações em que existe um desequilíbrio de forças e a sua integridade e a vida de cidadãos corre perigo!
Ou então um agente serve para quê?! Testemunha de homicídio? Secretário que toma conta de ocorrências?
A ideia de colocar mais agentes nas esquadras é para poderem fazer equipas mais equilibradas e andar "à porrada"?!

Para mim o grave desta situação, não é a total desconsideração da instituição policial, da lei e ordem do Estado. O que é realmente grave é ficar perceptível o "porquê" de assim o ser... é que realmente a policia actualmente não faz ( não pode, não quer) absolutamente nada!
Sem imagem de perfil

De Pedro a 30.04.2008 às 14:11

Custa-me concordar, mas tenho de o fazer:

"... e se necessitar de balear alguém para parar aquilo, que o faça! Ele está armado precisamente para poder lidar com situações em que existe um desequilíbrio de forças e a sua integridade e a vida de cidadãos corre perigo!"
Imagem de perfil

De LMR a 30.04.2008 às 15:55

Há que dar mais poder às forças de autoridade.

Claro que haverá sempre que abuse.

Comentar post




Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.