Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Betão.

por FJV, em 11.04.08


1. Parece irremediável: chegados a esta altura, com necessidade de investimentos e de emprego, regressa a «política do betão». O Expresso de amanhã (edição impressa) explora este assunto e o dado mais relevante parece-me este: «Portugal já é dos países europeus com mais quilómetros de auto-estradas por habitante e por quilómetro quadrado. A região de Lisboa, por exemplo, é mesmo aquela que em todo o velho continente tem maior concentração destas vias rodoviárias.»
Portanto, é preciso fazer alguma coisa. E, se essa coisa não será acabar com as auto-estradas, então só vejo uma hipótese: aeroporto em Alcochete, mais obras da Brisa, mais viadutos e pontes, ou seja, ainda mais betão para baixar as taxas de desemprego e a crise das grandes construtoras. Eu gosto é dos velhos do Restelo.

2. Ora, as grandes obras públicas, que hão-de deixar a pátria coberta de estaleiros e de empregos por cinco anos, no máximo, também se devem a essa interessante familiaridade entre as empresas de construção e a política. Trabalhemos para o Estado, no sector público ou no sector privado.

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

Sem imagem de perfil

De jcb a 11.04.2008 às 12:08

...E barragens de betão, com cem metros de altura e mais de meio quilómetro de coroamento, no pouco que resta dos nossos rios e das nossas paisagens rurais.
Sem imagem de perfil

De Carlos P. Abreu a 11.04.2008 às 16:51

E, por favor, ponham o Jorge Coelho a tratar disso tudo, assessorado pelo Lobo Xavier.
"Hadem" ver que resulta.
Sem imagem de perfil

De Ricardo S a 11.04.2008 às 22:34

Concordo consigo.
Efectivamente, existem vias rápidas e auto-estradas a mais. Acontece, porém, que nos outros países existem transportes públicos adequados às necessidades, sobretudo de quem se desloca diariamente para as capitais para trabalhar, enquanto que em Portugal os nossos serviços públicos de transporte estão desfasados da realidade. O principal problema prende-se com o tempo de espera.

Podem cobrar portagens à entrada de Lisboa, aumentar o imposto sobre os combustíveis, que o problema mantém-se: falta de transportes adequados às necessidades dos utentes. E enquanto este problema se mantiver, nunca será resolvido o do excesso de betão e de vias rápidas.

Cumprimentos.
Imagem de perfil

De MC a 12.04.2008 às 20:44

Subscrevo na íntegra.
Já agora, aproveito o facto de a imagem ter sido "roubada" do Menos Um Carro http://menos1carro.blogs.sapo.pt para fazer publicidade ao blog, onde esta paranóia nacional é discutida

Comentar post



Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.