Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Literatura sob alçada criminal.

por FJV, em 06.04.08
Ainda a propósito desta polémica, o oficial Jornal de Angola encetou uma campanha para a canonização absoluta de Agostinho Neto. Compreende-se. Mas neste outro artigo, sobre «Literatura e Identidade Política», a coisa vai mais longe, até ao «exercício de cidadania», depois «da “insolente” entrevista do Escritor José Eduardo Agualusa, sobre a poesia de Neto». Como preâmbulo não está mal: «Ao escritor importa narrar, verdades ou inverdades, mas cabe aos professores, intelectuais ou sábios ensinarem o que é verdadeiro, científico, afastando os embustes, malabarismos; e aos políticos servirem em nome do bem comum
A seguir, a canonização: «A escrita não pode servir para humilhar, banalizar, diabolizar os ícones, heróis, mitos, deuses ou divindades; Neto é Kilamba, kituta, kiximbi; sendo-o é intérprete das divindades aquáticas do Kwanza, é o antropónino de crianças que nascem com poderes especiais, segundo o antropólogo Virgílio Coelho (1989).» Note-se que «quem o ataca, ataca a razão da utopia – a Independência de Angola».
Mais adiante: «Exige-se respeito, veneração, solenidade aos heróis, escritores, mesmo quando os gostos estéticos diferem. É uma questão de temor reverencial, seja sobre Neto ou qualquer outro escritor que retrata da nossa identidade [...]

Chamo especial atenção para esta passagem, em que o autor (que ensina Ciência Política e Direito Público) pede a criminalização de José Eduardo Agualusa:

«[...] deve haver responsabilidade criminal e civil por estarem reunidos todos requisitos do ultraje à moral pública (ofendeu a moral cultural ou intelectual dos angolanos), previsto e punido no Artigo 420º do Código Penal. É preciso moralizar, sob pena de banalizar a figura mais importância da nossa memória colectiva contemporânea.»

Autoria e outros dados (tags, etc)


9 comentários

Sem imagem de perfil

De António Guimarães a 06.04.2008 às 23:26

Realmente em consonância com as "agressões ideológicas" dos tempos do PREC ...
Sem imagem de perfil

De jpt a 07.04.2008 às 00:43

aprecio, em particular, o "temor reverencial"
Imagem de perfil

De FuckItAll a 07.04.2008 às 09:34

O que me fascina mesmo é o modo como o discurso antropológico foi incorporado no discurso político africano, como arma ideológica. Estas citações são maravilhosas.
Sem imagem de perfil

De Ciranda a 07.04.2008 às 12:09

Como é que é???
Sem imagem de perfil

De JN a 07.04.2008 às 15:03

... e pronto José Eduardo Agualusa, já tem a sua fatwa
Sem imagem de perfil

De Carlos P. Abreu a 07.04.2008 às 15:44

Agualusa foi muito condescendente ao considerar Neto um "poeta medíocre".
É que Agostinho Neto jamais foi poeta. Chamar-lhe tal coisa é ofender os poetas.
O que ele foi sabem-no bem os que não se deixam levar por patranhas: um ditador sanguinário, responsável directo por milhares de mortes.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 19.04.2008 às 22:19

Eloquente, este comentário!
Manuel Barata
Sem imagem de perfil

De The Unfurry Swearbear a 08.04.2008 às 13:11

Cada um tem direito a sua opinião, enfim, dizem que só a verdade é que magoa... Mas parece que há mais mediocridade, só de olhar para um suposto professor universitário a fazer discursos idióticos dá me vontade de rir... ou chorar... ou um mistura dos dois.
Sem imagem de perfil

De Miguel Marques a 22.04.2008 às 17:39

Sou angolano e vivo em Angola. O Agualusa foi infeliz, motivado pela sua arrogância que desta vez acompanhou e mal com ignorancia.O dito cujo não fundamentou o porque dos visados serem medíocres e tambem não esclareceu porque é que entende que todos aqueles que apreciam o que neto escreveu "nao percebem nada de poesia".A.Neto em particular viveu num contexto de guerra colonial e tinha um papel fundamental nessa guerra, logo as suas obras reflectem isso mesmo. Ele não era escritor, escreveu.É isso que o Sr.Aguaardente tem de compreender, o contexto.A.Neto escreveu encarcerado, nas matas,etc.Não como o esse senhor que escreve como profissão à beira-mar plantado.Tem de se relativizar os contextos.
Quanto ao professor universitario que quer canonizar A.Neto chamasse João Pinto e é um fanatico do MPLA, por isso deve ser desculpado.

Comentar post




Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.