Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Moçambique.

por FJV, em 23.03.08


Exactamente por esta ordem: a piscina do hotel, o fio de coqueiros e o pôr-do-sol. Há coisas que, um dia, têm de lembrar uma ordem, e essa ordem era a forma como o mundo se ordenava há muitos anos, quando existia paraíso. Porque, necessariamente, o paraíso não existe no futuro mas apenas naquilo que se perdeu.

[...] O paraíso é só isso. Um nome. E uma ordem para as coisas. Essa ordem, exactamente essa ordem: a piscina do hotel, o fio de coqueiros e o pôr-do-sol.


1. Sim, há a «natureza literária», todos sabemos. Mas fica-se emocionado com outras coisas, além disso. Por exemplo, quando alguém, em Maputo, diz: «Gostei do livro. Mas o que eu queria saber era o seguinte: aqui, onde é que você morava?»


2. Há três anos que não vinha a Moçambique. Sem saber, tinha saudades. Tudo isto mudou muito desde os anos oitenta, desde os anos noventa. Desde há cinco, três anos. O que não mudou foi a sensação de chegada, a poeira alaranjada, a chuva morna, as acácias que restam desde há muitos anos – as sobreviventes, as transplantadas, as recuperadas, as que cresceram. A primeira recordação que tenho de Moçambique é essa: «Lourenço Marques, a cidade das acácias.» O umbigo de uma colega de liceu, que era da Beira. Os babás da pastelaria Princesa. O cheiro do mercado. O pó do Arquivo Histórico. O ruído do Piri-Piri. O resto é tudo literatura.


De qualquer modo, vistos do quarto do hotel, não poderia dizer que os coqueiros fossem necessários, mas ajudavam a reconstituir aquilo que vira também há muito tempo, e por isso o Índico era o mesmo, azul nuns lugares, acastanhado de aluviões noutros, quando as correntes arrastavam a lama da Inhaca e a depositavam ao largo da língua de areia que ia da Polana Mar à Costa do Sol. Ele lembrava-se das tempestades, dos aluviões, das correntes de lama e da imagem da Inhaca, onde as águas eram límpidas mas não bastavam para esconder a cor amarela e barrenta da praia depois das chuvas, a água do Inkomati, a água do Umbelúzi, a água do Maputo, a água do Matola, a água do Fúti, a água dos rios conhecidos e desconhecidos, a água arrastada desde as aldeias, as correntes de barro, lama, poeira, a água do Inkomati sobretudo, a água quente das praias. Essa paisagem ameaçava-o sempre, nos seus sonhos, como um quadro amarelado, exactamente como aqueles quadros amarelados pendurados no corredor do Hotel Polana, instantâneos de Lourenço Marques

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


6 comentários

Sem imagem de perfil

De JN a 23.03.2008 às 21:03

invejo-o com as letras todas!
ggrrr!
Sem imagem de perfil

De António a 23.03.2008 às 22:04

Suponho que esteja ainda em êxtase místico. Os nossos intelectuais distinguem-se, efectivamente, pelo seu refinamento.
O mundo é, para eles, algo tão subtil e encapsulado como um ovo Fabergé, pertença anterior de algum Csar.
Espero que não se cruze com os pobres moçambicanos.
Cumpts
Sem imagem de perfil

De jpt a 23.03.2008 às 23:57

bem-vindo
Sem imagem de perfil

De Lord of Erewhon a 24.03.2008 às 03:39

E não há mais fotos? :)

Estou à espera que diga de sua lavra acerca do Acordo Ortográfico... Os meus amigos da Nova Águia andam entusiasmados... Eu pretendo referir-me à questão depois de ter acabado de ler o dito e reflectido...
Tem coisas estranhas, regras em duplicado e alguns absurdos. Mas o pior é ser um arranjinho entre nós e o Brasil (no qual os Brasileiros nunca estiveram muito interessados), sem passar grande cavaco aos PALOP!
Enfim.

Abraço.
P. S. Espero que não se tenha esquecido que eu e o «lenhador viúvo» somos a mesma criatura, «perseguida pelos inquisidores dos blogs anónimos»... :)
Sem imagem de perfil

De menina alice a 24.03.2008 às 11:30

"o paraíso não existe no futuro mas apenas naquilo que se perdeu"

"Apenas" não. Isso é muito pessimista. Eu nasci em Moçambique, mas não conheço e tenho muita vontade de conhecer. O meu paraíso - esse paraíso - pode ser no futuro.
Sem imagem de perfil

De nuno ferreira a 24.03.2008 às 23:13

Como o invejo! Oh...estou a agatanhar-me toda...

Comentar post



Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.