Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Tenham cuidado.

por FJV, em 03.03.08

A estação de serviço onde ontem à tarde meti gasolina tinha sido palco de tiroteio durante a noite. Um fulano vai tomar café e leva um tiro. Há tiroteios a mais, começa a haver homicídios a mais? Nisto, como em outras coisas, Portugal não tem estatísticas que no minuto seguinte não se desmintam – basta seguir a novela dos “números do crime”. Começam a ser preocupantes, mas as autoridades pensam que ficamos mais descansados quando relativizam a sua frieza. Ou não estavam incluídos os de ‘carjacking’, ou porque a PJ mudou de carrossel, ou porque a “pequena criminalidade” era da PSP – há sempre um grão de areia a atraiçoar a estatística. Mesmo assim, de cada vez que uma onda de crimes sobe à primeira página dos jornais, aparece alguém a pedir “acção firme” ou uma “audição parlamentar”. Ou alguém a dizer que “isto é pior do que o Brasil”. A ideia de que Portugal era um paraíso com melros a cantar nas oliveiras já se foi. Resta pouco desse retrato. Tenham cuidado.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Zé da Burra o Alentejano a 04.03.2008 às 09:38

Os cidadãos portugueses já não acreditam na eficácia da queixa policial , que já só acontece em casos extremos.

A criminalidade deveria baixar assim artificialmente, na medida que as vítimas já nem se queixam, porque sabem que de nada serve. Mesmo quando o criminoso é apanhado é rapidamente posto em liberdade, ficando vítimas e testemunhas sujeitas a represálias por parte do criminoso.

Eis como se baixa a criminalidade. Só que apesar deste artifício estatístico, os número da criminalidade em Portugal não baixam e isto demonstra bem a gravidade da situação.

Comentar post



Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.