Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Vem daí, Espinosa. Vem daí, Ruy. Regressa daí, Tim. Vem daí, Marcelo.

por FJV, em 29.12.07

O delegado Espinosa de regresso à ficção de Luiz Alfredo Garcia-Roza, em Na Multidão (depois de Espinosa sem Saída).  E, com ele, Ramiro, Welber, a solidão nostálgica do Bairro Peixoto em Copacabana, a gastronomia vagabunda de Espinosa das suas paixões. Só quem sabe, só quem sabe.

Para ler mais sobre Garcia-Roza: Entrevista com Luis Alfredo Garcia-Roza publicada na revista Ler há uns tempos. E, aqui, um Espinosa de A a Z.


Ruy Castro, o autor das biografias de Garrincha (Estrela Solitária), Nelson Rodrigues (O Anjo Pornográfico) e Carmen Miranda (Carmen: Uma Biografia), além da belíssima biografia do Rio de Janeiro, Carnaval no Fogo, regressa à ficção depois de Bilac vê Estrelas, com Era no Tempo do Rei, romance que nos leva à chegada da corte portuguesa ao Rio, com o príncipe D. Pedro como figura principal na noite carioca de então.
Deixem-me recordar a sua evocação do Rio ou da Guanabara no princípio do mundo (em Carnaval no Fogo): «Se Vespúcio voltasse hoje à cidade, quinhentos anos depois, como seria? Em 1502, ao defrontar-se com o Pão de Açúcar, ele vira na Guanabara algo muito parecido com a ideia que os antigos faziam do Paraíso: um carnaval de montanhas, serras, praias, enseadas, ilhas, dunas, restingas, manguezais, lagoas e florestas, tudo sob um céu que não tinha fim. Uma obra-prima da natureza, habitada por uma gente feliz, bronzeada e amoral. […] Uma vida tão feliz e paradisíaca que deixava muito mal a ideia, então corrente entre os jesuítas, de que os selvagens não tinham alma.» P.q.p., hã?


E Tim Maia, que morreu em 1997, agora com biografia à altura. Devastador Tim Maia, selvagem e surpreendente como só ele era, descrito e escrito por Nelsinho Motta em Vale Tudo. O Som e a Fúria de Tim Maia. Recado de Tim para Nelson em 1997, Nova Iorque: «Ô Nelsomotta, eu tô aqui sentado numa cadeira e tomando café numa mesa tão antiga que estou me sentindo um Dom João VI, porque tudo é antigaço nesse hotel, mas o fogão está funcionando e você está convidado a tomar um breakfast e a torrar unzinho comigo. Now!»



Marcelo Rubens Paiva, o autor de Malu de Bicicleta, de Feliz Ano Velho ou de O Homem que Conhecia as Mulheres, agora reedita algumas das suas crónicas exemplares em As Fêmeas. Extracto de uma delas: «Tive um colega de faculdade que morava na Augusta sobre um bar-padaria suspeito, fachada para tráfico de pó e de putas. Antes de dormir, costumava tomar uma cerveja e olhar o movimento. Numa noite, a puta “xis” discutia com um freguês, que passou a agredi-la. Deu cinco minutos, meu colega se levantou e a defendeu, expulsando o inoportuno do bar. Pra quê? Foi adotado. A menina o convidou para ser seu gigolô. “Não, sou um estudante da USP, futuro profissional liberal. Não convém ser um gigolô” — ele não disse, mas seria sua resposta se a honestidade fosse um hábito. Inventou uma desculpa qualquer que não colou. A menina descobriu que ele morava em cima da padaria e passou a deixar uma parte dos seus ganhos debaixo da porta. Ele procurava devolver a grana. “Mas você é o meu homem, merece o dinheiro.” O que fazer? A universidade não tem respostas para situações triviais. Nada.»

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Mónica a 30.12.2007 às 15:12

apetece mergulhar neste Brasil que aqui nos traz

Comentar post




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.