Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O milagre português.

por FJV, em 16.10.20

O “milagre português”, comandado pelas autoridades, festejado pelo Presidente, elogiado pelos comentadores, embevecidos e na respetiva posição, tinha derrotado a Covid – mas foi extemporâneo, como se calculava. Para os que acharam estranho que o primeiro-ministro tenha caído na esparrela da “aplicação obrigatória”, o próprio António Costa teve o cuidado de explicar: não se trata de uma obrigatoriedade, produto de autoritarismo, a menos que as pessoas – naturalmente –  a usem de livre vontade. Isto percebe-se, mesmo sendo absurdo: é apenas um interessante momento de humor que se dilui no meio da desorientação; aliás, é pura política – não cabe na cabeça de ninguém que uma lei tão estapafúrdia tivesse sido encaminhada para o parlamento para ser aprovada nestas condições. Caso a lei (a da app de porte obrigatório) fosse aprovada, estaríamos no domínio do cómico e do trágico, consoante a disposição e a presença de uma autoridade policial. Por isso, é pura política – para “abanar a sociedade”, que, ligeiramente hipocondríaca, julgava que podia acreditar no milagre português.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.