Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Arte bem comportada & ao serviço do bem.

por FJV, em 06.10.20

Aqui e ali, pelo que vejo, há vários programas para artes ou literatura “sustentáveis” e ao serviço das grandes causas do mundo de hoje. Escritores e pintores, músicos e performers anunciam “obras de arte” dedicadas a alertar-nos para a necessidade de salvar o mundo com a “adoção de novos comportamentos”, prestando mais atenção ao ambiente e à natureza, ao tofu e à beringela biológica, ao “empoderamento” feminil, aos recursos naturais e à proximidade com os nossos semelhantes, contra o extremismo ou os materiais corrosivos. Podiam ser estes temas ou outros. Antes, poetas escreviam, músicos compunham, pintores pintavam – e não estavam à espera de receber indicações (quer de Estaline, de Mao ou Salazar, de Mussolini ou do Mahatma Ghandi, do mestre-escola ou da Secretaria de Estado do Abastecimento e Preços) sobre os temas a tratar. Hoje, os artistas, resignados à sua função benfazeja, colocam-se “ao serviço do bem” e produzem coisas que vão bem numa sala de tias austeras, mestres de moral e pessoas chatas. Shakespeare, Caravaggio ou Eça tiveram sorte em viver antigamente. 

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.