Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



José Cid, o tonto do bem.

por FJV, em 15.11.19

José Cid recebeu o Grammy de Excelência Musical, um prémio que só o honra e nos deixa contentes. Porém, na hora de agradecer o prémio, além de prometer cantar as suas canções de amor, acrescentou que iria continuar “a cantar contra a segregação racial, contra o racismo, contra a energia nuclear e contra a poluição, a favor das pessoas que mais necessitam, a favor deste planeta”. Pensei de repente que havia dois Josés Cids e que este último me tinha escapado. Mas não. O que acontece é que se tornou uma obrigação comercial, e de marketing, que todos os cantores, escritores, misses, ‘influencers’ e demais figuras públicas, tenham de fazer uma declaração sobre o apocalipse e a maneira de nos salvarmos todos e sermos boas pessoas. Daqui a um ano não há cantor, atriz, ou parvinho, que não seja vegetariano, devoto de Santa Greta, apaixonado pela “sustentabilidade”, a favor da mudança de género, especialista em ozono, devorador de tofu, praticante de biodança e amigo das iguanas. A banalização do mal é um dos horrores da nossa história – mas a “banalização do bem” desvaloriza-nos a todos.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.