Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Urbano.

por FJV, em 09.08.19

Foi uma das pessoas mais generosas e cordiais que me acolheu “no mundo da literatura” – livros como A Noite Roxa, Despedidas de Verão, Imitação da Felicidade ou As Aves da Madrugada foram leitura de adolescência, onde surpreendi uma tentativa de equilíbrio (que foi sempre difícil) entre a busca da felicidade individual, um certo hedonismo, e os compromissos políticos que assumiu ao longo da vida (foi militante comunista); daí resultava uma tolerância amável e a disponibilidade para ouvir os outros, de onde nasceram também livros como Deriva e A Vaga de Calor, por exemplo, já nos anos 80 e 90. Urbano Tavares Rodrigues (1923-2013) era um excelente ensaísta, um magnífico leitor; recordo uma viagem comum a Paris, onde esteve exilado, e a evocação de Albert Camus, que me surpreendeu, bem como os seus livros sobre Teixeira Gomes, o neo-realismo, o existencialismo e as lições de literatura francesa. Passam hoje seis anos sobre a sua morte e recordo-o com a mesma amabilidade que teve sempre em vida. Urbano era um cavalheiro raro nestes tempos e eu devo-lhe muito. Aliás, devemos.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.