Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Montalbano.

por FJV, em 19.07.19

Era difícil, muito difícil, não gostar de Andrea Camilleri (1925-2019), cuja morte, ontem, aos 93 anos, deixa um lugar vazio nas nossas estantes. Falei com ele duas vezes e não esqueço, nem o humor, a graça, a dicção ligeiramente siciliana – nem a perspicácia que nascia daquela espécie de leveza e melancolia, a mesma que emprestou ao comissário Montalbano, herói dos seus livros policiais. Juntamente com o espanhol Manuel Vázquez Montalbán ou o grego Petros Markaris, Camilleri compõe uma espécie de pódio da narrativa policial mediterrânica, com os seus detetives (respetivamente, Pepe Carvalho, Kostas Haritos e Savio Montalbano), as suas obsessões, o seu passado, o seu apetite. As investigações de Montalbano (em livros como A Forma da Água, O Ladrão de Merendas ou O Cheiro da Noite’) giram em redor de casos criminais densos e inesperados, num Itália saborosa mas também amarga e onde por vezes o refinamento dá lugar à escuridão. Eu recomendaria que fossemos à procura dos seus livros.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.