Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O vírus que não há de poupar Da Vinci.

por FJV, em 02.05.19

Um amigo mostrou-me o frontispício de uma edição americana das obras de Kant (1724-1804) onde se lê um aviso: que as opiniões do filósofo sobre raça, género, sexualidade e relações interpessoais são produto do seu tempo e que tudo já mudou entretanto. Claro que apetece mandar prender o editor e deportá-lo para o Ártico. Mas entretanto lembro que passam hoje 500 anos sobre a morte de Leonardo Da Vinci e que mais vale estar prevenido: as opiniões e as realizações de Da Vinci (1452-1519) sobre sexo, género, relações humanas, etnicidade ou religião dizem respeito à passagem do século XV para o século XVI e que o pintor, matemático, escultor, engenheiro, botânico, poeta, gastrónomo, anatomista e arquiteto florentino está fora de moda, deve ser entendido como um produto do seu tempo e não devemos acreditar em tudo o que disse, ou pensou, ou deixou registado. 500 anos depois, Da Vinci é uma excrescência num mundo de patetas e tolos encartados. Tenho medo que esta gente de espalhe o seu vírus e nos faça esquecer que a nossa espécie produziu génios como Da Vinci. Tenho muito medo.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.