Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A revolução que cai de madura.

por FJV, em 01.05.19

O regime venezuelano, de que Nicolás Maduro é uma excrescência cómica e trágica, só existe porque a esquerda europeia o apaparicou sem reservas, alimentando-o ideologicamente e declarando-o como exemplo do “socialismo do século XXI”. No fundo, o “regime bolivariano” é uma mistura de caudilhismo regional, autoritarismo militar e folclore linguístico. Enquanto havia dinheiro do petróleo, a Venezuela de Hugo Chávez canalizou fundos para partidos amigos e cavalheiros que andavam necessitados de dinheiro para as suas obras pias; depois, falida e destruída, passou a ser suportada por um complexo diplomático que ia da Rússia ao Irão, como contraponto à influência americana (que, como de costume, é hábil a fazer tudo o que não deve fazer). Para a esquerda europeia, o “bom revolucionário” existiria em abundância na América Latina para substituir o “bom selvagem” de outros séculos. O resultado não é famoso, como se está a ver: é penoso e doloroso ao mesmo tempo. Ou Maduro tem o fim trágico de um flibusteiro, como se supõe, ou a agonia venezuelana se prolonga desnecessariamente.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.