Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Família & famiglia, 2.

por FJV, em 05.04.19

Uma pessoa começa por ler as notícias sobre a nomeação de familiares (e relativos”, resumindo) para cargos políticos no Estado com alguma distância, esperando para ter o retrato completo. Depois, a lista aumenta e torna-se preocupante. Já aqui escrevi que o mais grave de tudo não é o escrutínio destes casos presentes – mas o que a situação revela quanto à endogamia da classe dirigente, ao seu escol de cumplicidades e à falta de mobilidade social que lhe está na base desde o século XIX. Ao contrário do que se diz, a campanha contra esses casos de familiaridade excessiva (não parece haver ilegalidade flagrante em nenhum deles), que acabam por constituir uma rede de amizades, não é a demonstração do “desespero da direita” diante dos sucessos governamentais, ou uma patetice que antecipa a silly season. É, além de tudo o resto, uma questão de pudor social. E de falta de elegância no exercício do poder e nas nomeações para cargos não eleitos que dependem de confiança política e pessoal. O The New York Times ficou espantado com o despudor. Nós não ficamos espantados mas também não apreciamos o gesto.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.