Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Amoz Oz, uma vida inteira.

por FJV, em 31.12.18

Amos Oz (que morreu na passada sexta-feira, aos 79 anos) era um homem tranquilo, amável, luminoso. Mas era também israelita – o que fez dele um marginal e um pecador aos olhos dos patetas. No entanto, há poucos romances autobiográficos com a complexidade e a beleza de Uma História de Amor e Trevas; e livros como Judas (o pano de fundo é a visão de Cristo aos olhos dos judeus, e o aparecimento da figura maldita de Judas Escariotes), A Caixa Negra, Cenas da Vida da Aldeia ou A Terceira Condição, publicados em Portugal pela D. Quixote, são romances admiráveis sobre a intranquilidade, a memória e a perturbação humanas. Nos ensaios Contra o Fanatismo e Caros Fanáticos, Amos Oz combate os fantasmas que assolam o Médio Oriente, mas também a sociedade ocidental, que não aprende grande coisa com os fanatismos políticos, que venera – e são testemunhos de um observador atento e humanista maravilhoso. Alguma imprensa tratou a morte de Oz como se ele fosse apenas um “ativista” pela paz, deixando em segundo lugar as suas qualidades como grande e notável escritor. É uma pena.

Da coluna diária do CM.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.