Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ao Panteão, rapazes!

por FJV, em 25.08.18

José Afonso (1929-1987) foi um notável autor, poeta e cantor que mudou a história da música popular portuguesa; a par disso, que já não é pouco, é um dos símbolos do 25 de Abril e ‘a voz’ essencial na luta contra a ditadura. Seja como for, não é a proposta de trasladação de José Afonso para o Panteão que está em causa. Em relação ao assunto, e serenamente, a família do músico impôs bom senso, fez prevalecer o respeito pela vontade de José Afonso e evitou uma discussão frívola em terreno minado. A existência do Panteão implica, também, um conjunto de regras que sirvam para unir os portugueses em torno da decisão de incluir, com gratidão, mais um nome naquela galeria de notáveis – não para os submeter a um exame ideológico ou para fazer vingar uma dada leitura do passado. Vinte, trinta, quarenta, cinquenta anos: é um período curto para que o juízo da História assente como uma poeira definitiva. Alterar as leis – como se tem feito, levianamente, ao sabor da ocasião e das euforias – para substituir o tempo pela “comoção popular” é um péssimo serviço à nossa memória. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Asia Argento.

por FJV, em 25.08.18

David Friend, que foi editor da Vanity Fair (e na Life) escreveu um belo livro, The Naughty Nineties (havia um filme de Abbott & Costello com esse título, mas de 1945): os picantes, marotos, pecaminosos anos 90 – ou seja, como viveu a América dos anos Clinton no meio de sexo, alcovas alheias, escândalos, trocas de casais e de fluidos. Norman Mailer já tinha identificado a “energia sexual” dos anos Kennedy no romance O Fantasma de Harlot, de primeira ordem. Os tempos que correm não têm essa energia, nem esse tom alcoviteiro – um presidente ignóbil não dá tesão, e as histórias de sexo são sombras do passado que regressam para vinganças ocasionais. Asia Argento, que fez a agit-prop do movimento #MeToo, acusou Harvey Weinstein de abusos sexuais há 20 anos. Agora, é ela a acusada de ter abusado sexualmente de um jovem ator de 17, há cinco anos. A lei considera crime manter relações sexuais com menores, mas aos 17 um rapaz já tem ereções e Asia não lhe pediu identificação. Comecei a simpatizar com ela: no meio dos sevandijas gerais, abusar de um rapaz de 17 é um gesto romântico.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.