Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Beautiful people.

por FJV, em 31.07.18

Aqui há dias escrevi sobre os que, entrando na vida política, adulteravam os seus currículos, acrescentando graus académicos inexistentes, cursos que não se frequentaram ou cargos onde não se esteve. É um tipo particular de provincianismo pacóvio. O vereador Ricardo Robles é um provinciano de outro tipo: limitou-se a anunciar que o que diz não faz sentido, e que os seus discursos inflamados sobre a especulação imobiliária, a “gentrificação”, o mundo dos malvados que não concordam com a bondade do seu radicalismo, não passavam de um exercício de retórica para ludibriar os outros. Fernando Pessoa, que era um ironista fino, inventou a figura do banqueiro anarquista; Robles, que é um ativista obtuso, criou a do especulador comunista; o Bloco apenas se limitou a confirmar o seu moralismo de pés de barro. Na Espanha dos anos 80 criou-se a designação gorda de “beautiful people socialista” para a clique oligárquica que enriquecia à sombra dos seus discursos sobre como eram “modernos” e de esquerda. Robles faz parte do “beautiful people”; já sabíamos. Mas o moralismo é insuportável.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gerês, ou a contemplação.

por FJV, em 31.07.18

O meu avô era um termalista. Durante quinze dias ia a águas, disciplinado e conformado; bebia a água, tomava os banhos, passeava no parque. Creio que acrescentou mais de dez anos à sua vida. Quarenta anos depois, levanto-me às sete, tomo a água indicada em três doses, até às oito e meia; faço o resto dos exercícios, entro em gabinetes onde há água, sou fustigado por água, massajado por água, volto a beber água durante a tarde, passeio no parque, leio. Um cavalheiro local, vendo-me como um pacóvio a caminhar pela rua, recomendou que olhasse para o céu, onde estão os bosques do Gerês – e não para o chão. Fez bem: é lá que se repousa, no céu onde estão os bosques. Não sei onde tenho andado que ainda não tinha descoberto este lado do planeta. Às vezes, tomada a água, passeio pelo parque do Gerês e julgo encontrar o meu avô, que sabia tudo sobre comboios e quase tudo sobre as termas. Os meus médicos sugerem que me falta uma vitamina qualquer que se encontra debaixo do céu, tal como as termas – um reduto da civilização de outrora, juntamente com a caligrafia, a leitura e a contemplação.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.