Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



José Afonso Furtado em 140 caracteres.

por FJV, em 02.04.11

José Afonso Furtado, atual diretor da biblioteca de arte da Gulbenkian, excelente fotógrafo, foi escolhido pela revista Time como uma das 140 personalidades que vale a pena seguir pelo Twitter, em todo o mundo. Não admira. Furtado foi presidente do velho Instituto do Livro quando os governos e o Estado prestavam atenção à cultura e à Rede de Leitura Pública, de que foi um dos fundadores, criadores — pais, enfim. Os seus tweets mostram um homem atento a tudo o que tem a ver com o livro, o seu futuro, o seu negócio e a sua história recente e passada; hoje em dia, para estarmos a par de tudo o que tem a ver com a edição e indústria do livro, não temos outro remédio senão segui-lo no Twitter. Não sei como este país se pode dar ao luxo de dispensar José Afonso Furtado.

[Na coluna do Correio da Manhã]

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma espécie de Jogo da Glória.

por FJV, em 01.04.11

2007: 2,6% > 3,1%

2008: 2,2% > 3,5%

2009: 5,9% > 9,3% > 10%

2010: 6,8% > 7,3% > 8,6%

 

Lembram-se?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tudo se arranja.

por FJV, em 01.04.11

O mesmo gang (a Universidade de La Plata é um bom alfobre, e as ordens vêm do alto, da presidente eleita com o dinheiro venezuelano) que quis proibir Mario Vargas Llosa de discursar na Feira do Livro de Buenos Aires acaba de atribuir o prémio Rodolfo Walsh para a liberdade de imprensa a Hugo Chávez, o mesmo que fechou televisões e jornais, que torna obrigatória a transmissão das suas charlas de várias horas ao domingo, que pretendia censurar o Twitter e o Facebook, que quis fechar universidades. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O sistema.

por FJV, em 01.04.11

Ontem, António Perez Metelo respondeu-me, no debate da TVI, que era «o sistema que ia abaixo» — se se fizesse uma «auditoria às contas públicas». Compreende-se melhor a natureza do sistema, independentemente das pressões francesa e alemã para que essa auditoria não tenha lugar (e não vai ter, como se sabe, porque no país e nesta União se prefere a jogatana ao jogo, a maquilhagem à transparência), depois da entrevista de Teixeira dos Santos e da revisão dos défices e da dívida pública hoje anunciada. O «sistema» é a manipulação continuada dos números, das estatísticas, dos negócios ruinosos com as PPP, das decisões e da actividade do governo, concertada com acções de propaganda fácil e com falhanços evidentes em todas as previsões. José Sócrates provocou esta crise política para tentar ocultar tudo o resto; é necessário dizer-lhe que um tratante pode mentir quantas vezes quiser, e que pode tentar todas as astúcias para esconder os factos — mas não deixa de ser um magarefe, mesmo se mantiver o discurso aperaltado de um manda-chuva zangado e prepotente. Na situação em que nos encontramos, o país precisa de reencontrar uma certa limpeza, alguém com compostura e credibilidade como interlocutor. E de certa decência.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esta semana.

por FJV, em 01.04.11

A entrevista de Teixeira dos Santos à TVI é uma peça a reter – o ministro das Finanças confessa tudo, o descalabro, o défice, a manipulação das contas, alguns dos erros. Mas não assume nada e demite-se uma segunda vez, com todo o governo atrás. A semana que passou é que conta. Passar de 7,3% para 8,6% aconteceu nesta semana. Não tem nada a ver com a pompa com que o primeiro-ministro assegurou, em Janeiro passado, que o défice ia ficar «claramente abaixo» dos 7,3%. Foi tudo esta semana. Tem todo o sentido, portanto, fazermos as perguntas que interessam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 3/3




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.