Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Um slogan por dia.

por FJV, em 15.10.10

Diz «não» à insegurança e à incerteza. Explica por que razão os mercados agora já são importantes. Explica como o défice cresceu por vontade própria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Só mais uma pequena pergunta?

por FJV, em 14.10.10

Em adenda: por que razão não comentam o facto de O Estado de S. Paulo ser impedido de escrever sobre José Sarney* (o mesmo que diz que Dilma Roussef é uma «sacerdotisa do serviço público»), aliado de Lula e de Dilma?

 

* A liminar impediu o Estadão de dar informações sobre o envolvimento de José Sarney noutra das grandes operações (a «Boi Barrica») de corrupção do lulismo, as tais que são «uma armação das éééélitisss», à semelhança do mensalão,.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Do uso das metáforas com criancinhas.

por FJV, em 14.10.10

Uma metáfora? O raio de uma metáfora? Vamos lá ver: Manuel Alegre fez uma acusação e ele sabe o que é uma metáfora. Ou não.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ficámos ali.

por FJV, em 14.10.10

Ficámos ali. Um cemitério rodeado de gente a despedir-se da Isabel (a quem eu um dia chamei «a Rosa Mota das bibliotecas»), o sol luminoso da Granja, de que ela tanto gostava, os amigos que vieram de Lisboa, de Braga, de todo o lado. Ficámos ali sem dizer nada e, sobretudo, sem dizer que «não se sabe o que se há-de dizer». Acho que éramos muitos e havia o sol luminoso da Granja, como tu querias que fosse, certamente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

É um problema.

por FJV, em 14.10.10

É um problema. Por exemplo, a tese de 1997 descoloria um pouco a tese de 1979: o papel das telenovelas da Globo não era negligenciável na passagem da mulher brasileira para a modernidade; era a agenda, não era? Mas onde estava quando o governo Lula tentou fazer passar a lei do audiovisual e a lei do estatuto do jornalista para domesticar a imprensa, silenciar as vozes incómodas e acelerar os processos de «liberdade de imprensa» feitos a pedido da entidade que iria «regular» o funcionamento da imprensa? Lula queixa-se de «falta de imprensa»? Só se for agora, depois de ter passado oito anos a bombardear o governo de FHC com a cobertura da imprensa e o beneplácito dos tribunais, porque não se podia criticar o «pai dos pobres» – e de determinar a expulsão de correspondentes estrangeiros (foi preciso vir um ministro, a correr, da Suíça, para pôr algum bom-senso nos miolos de Brasília), coisa que a ditadura brasileira só fez uma vez. Quando o governo Lula deslocou funcionários incómodos (de agentes policiais a juízes, procuradores, professores, etc) com a cobertura da patrulha ideológica do costume (de cineastas do RS a publicitários que recebiam pelas contas cifradas dos bancos de Belo Horizonte, onde se desenhava o mensalão). Quando o Estado de São Paulo ficou proibido de falar sobre o caso Sarney (o grande Ribamar!, o impoluto senador do Amapá!, o aliado de todas as horas!, o homem que negociava os cargos da Petrobras!), estavam onde? Ocupados com a agenda? Quando os processos judiciais, em segredo de justiça, contra jornalistas incómodos, apareciam nas secretárias do Planalto e eram «vazadas» para outras secretarias judiciais, e eram divulgadas as suas contas bancárias e a sua situação fiscal – nessa altura estavam onde? Quando o governo FHC instituiu os programas de Bolsa Família (e Lula dizia, na tv, que FHC queria comprar o povo, tal como quando José Serra lutou pela quebra de patentes dos retrovirais a soldadesca o acusou de fazer negócios), estavam onde? A tratar de psicanálise. Também estava a tratar de ética de psicanálise quando as tropas de choque do PT, do MST e dos sindicatos do PT assaltaram combis para queimar exemplares da Veja? Coitado do Lula, que não tratou da corrupção, «porque não sabia de nada», no fundo os negócios do leninismo brasileiro eram tratados longe, no gabinete de Dirceu (primeiro) e de Dilma (depois), que era mesmo ao lado, no mesmo corredor — porque devia estar a tratar da psicanálise, naturalmente. Eu defendo que a Maria Rita devia escrever sobre psicanálise, no ESP, se o ESP a contratou para isso, e que o caso do despedimento está mal esclarecido – e que, como já fui despedido por razões políticas (e deixado sem trabalho por um bando de canalhas servis que tomaram conta de tudo), sou contra todos os despedimentos por razões políticas, seja de funcionários da DREN ou de jornalistas de uma redacção, junto o meu nome à petição: deixem a Maria Rita escrever. Mas no resto, ah, no resto não me fodam com o pai dos pobres, a perseguição das éééélitisss, a classe A, a esquerda brasileira – e, pior do que tudo, com os psicanalistas da USP.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Isabel.

por FJV, em 13.10.10

Conheci Isabel Sousa na Biblioteca Raul Brandão, em Guimarães, há muitos anos. Depois, encontrei-a em muitas outras (S. João da Madeira, Espinho, etc.), ou em iniciativas invulgares (pão com livros, pizzas e livros, etc) que ela inventou, organizou e defendeu. Onde ela estava, estava também a paixão pelas bibliotecas, pelos livros, pelas salas onde os livros se guardavam e abriam. Morreu esta noite ao fim de um ano difícil e de muito sofrimento. Amanhã, de manhã, a (sua bela) Granja despede-se de Isabel. Todos os que gostam das bibliotecas portuguesas ficam mais tristes, muito mais tristes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Se não agora, quando?

por FJV, em 12.10.10

«A pergunta é esta: quando deve Passos Coelho aceder aos berros pungentes da pátria? Resposta: no último minuto.»

Tem razão Luís M. Jorge. Só no último minuto — ou então . A histeria em torno da aprovação do Orçamento (quem nunca leu nenhum, faça favor) e a exigência de «responsabilidade» ao líder da oposição (a «responsabilidade» transformou-se numa espécie de aspirina, cabe bem em todos os discursos e em todos os posts) é uma «constante moral» e tem uma grande eficácia política para quem acha que é preciso política com «recorte literário» ou que um pantomineiro tem sempre razão desde que discurse como um salteador. À direita, Passos Coelho era irresponsável quando, nos idos de Maio, aceitou negociar medidas urgentes que o governo teve de adoptar depois de ser obrigado a isso em Bruxelas. À esquerda, tornou-se irresponsável quando, depois de ter negociado essas medidas, exigiu que o governo fosse mais competente em matéria orçamental e aceitasse algumas condições de princípio (contenção da despesa, cortes na administração, não aumento de impostos), antes de negociar o orçamento. Mas Sócrates aprendeu depressa e é esperto: antes das condições serem discutidas (teve alguma razão: não há tempo para prolegómenos teóricos), anunciou que já havia negociações sobre o Orçamento. Ou seja: tenho-te na mão, Coelho amigo. A questão é dupla: 1) eu acho que o Orçamento até pode ser aprovado com a abstenção do PSD; mas era bom que se exigisse responsabilidade a Sócrates, que tem sido o grande irresponsável e por isso deve ser vigiado ao milímetro; 2) um Orçamento discute-se desde que exista, suponho eu; linhas gerais é matéria com interesse, mas o gozo está nas minudências (o que vão fazer as Obras Públicas, como se vai gastar o dinheiro da Parque Escolar, onde entra a máquina da administração, onde estão os fundos para o TGV); portanto, para o povo (peço perdão, é sem ofensa) que pede aprovação sem condições do Orçamento, não interessa o que está lá escrito, pois não?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Do país das águas.

por FJV, em 12.10.10

Vai entrar na guerra suja. O PT não pode largar o poder, porque o lulismo e o seu folclore dependem dele – e o partido já conheceu abundantemente a cor do dinheiro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Voz.

por FJV, em 12.10.10

Joan Sutherland (1926-2010), ‘La Stupenda’, a grande soprano australiana, morreu ontem. De alguma maneira, coube-lhe recuperar algumas das grandes «óperas italianas» para o século XX, mas a sua voz (recordo-a como D. Anna em D. Giovanni, ou em Lucia di Lammermoor) brilhava para lá da fixação num estilo ou numa herança do bel canto. Tenho uma memória infiel das suas interpretações, mas guardo a voz em discos que relembram a magia das primeiras óperas ou das primeiras peças líricas escutadas na minha adolescência, que não viveu só de rock (longe disso) e pretendia alguma elevação. Uma voz como a de Sutherland aproximava-se disso – de uma dependência do sublime, que tantas vezes falta à vida e só se encontra numa partitura a que alguém empresta génio e timbre.

[Na coluna do Correio da Manhã]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Aí está.

por FJV, em 10.10.10

Tiago Moreira Ramalho sobre uma das expressões mais irritantes das badanas e contracapas de livros: «Lê-se como um romance.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

As novas tecnologias.

por FJV, em 09.10.10

Na feira de Frankfurt vi seis livros sobre Ferran Adrià. De cada vez que me aproximava de um deles aparecia um editor ou uma agente murmurando «ah, elBulli...», ou perguntando «já foi ao elBulli?, ah, elBulli...», quando uma pessoa vinha do piso inferior onde o luxo gastronómico se reduzia a um par de salsichas com sauerkraut e pão de centeio para acompanhar a segunda dose de weissbier. Assim nasce um ódio divertido, um ataque de riso; Ferran Adrià, o mago da cozinha molecular (ataque de riso) foi convidado para a Documenta Kassel como um expoente do design. Uma pessoa senta-se à mesa de elBulli depois de passar alguns meses numa lista de espera entre toureiros e executivos da Procter & Gamble, e apetece-lhe, digamos, um arroz de grelos para acompanhar as crudités de alcachofas y parmesano con costillitas de conejo, enquanto não chega o tuétano con ravioli de ceps y langosta. A comida é excelente, mas a Documenta Kassel explode nos catálogos. Design. E agora as novas tecnologias, o novo-riquismo da temporada (enquanto não se descobre que o grande problema ecológico são os grandes cemitérios de chips e plásticos, e não a devastação de eucaliptos para celulose): Adrià abre o elBulli às novas tecnologias, numa parceria com a Telefónica. Infelizmente, a PT já não é aliada da companhia espanhola. À minha avó, que preparava as melhores sardinhas cruas, marinadas em limão e azeite, com salada de azedas, não muito diferentes (mas melhores) das sardinas a la grosella negra y eucalipto ou das sardinitas al azafrán con coliflor y cebolla tierna, ou que servia uns ovos estrelados (que podiam acompanhar, mas sem espuma, o huevo frito con jamón y caramelo demerara) sobre arroz de frango, faltava-lhe um curso de arquitectura de interiores. Agora digam-me se estes «encuentros con directivos y clientes y conferencias con un fuerte componente innovador y tecnológico en contenido y forma», que Adrià irá manter com Miami, Nova Iorque, Londres, Buenos Aires, Berlim, México, Madrid ou Barcelona, não é mesmo um produto inferior às fotografias de JR Duran para a Playboy brasileira.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Frankfurt, etc.

por FJV, em 08.10.10

Frankfurt continua a ser o que gostaria de ser – uma reunião de gente que trabalha com livros. Continuo, passado 25 anos de ter vindo pela primeira vez, a avisar, «Frankfurt não tem nada a ver com literatura»; passados 25 anos, as mesmas pessoas a que se acrescentam muitas outras, continuam a perguntar o que há aqui de novo em literatura. Nada. Frankfurt não tem nada a ver com literatura embora, durante algum tempo, alguns autores achassem que «deviam vir à feira». Para fazer o quê? Passearem-se entre 12 quilómetros de livros? Algumas estrelas, sim, vêm — e falam, e têm a ideia de que são ouvidos na abertura das cerimónias oficiais, porque são transcritos no Frankfurter Allgemeine, no Rundschau, no Herald Tribune ou no El Pais. Mas o resto é uma conspiração que é estranha à literatura, à sua solenidade ou «marginalidade». Eu gosto dessa conspiração. Conheço conspiradores desses há 25 anos — agentes de autores latino-americanos, editores de livros sobre chocolate ou linhas de caminhos-de-ferro, especialistas em literaturas do Báltico, negociantes de papel escandinavo, os últimos crentes e adoradores da literatura policial que te contam uma história passada entre duas cidades indianas e uma passagem estreita para o Paquistão, os russos que vêm e se embebedam a partir das onze da manhã, os turcos, os abkhazes que vêm às escondidas, os islandeses (eu gosto dos islandeses), os brasileiros que gastam todo o dinheiro que têm e que não têm e ficam nos melhores hotéis e se apresentam como milionários, os espanhóis que violam todas as leis (comem presunto, bebem vinho, fumam às escondidas, riem alto), os ingleses que gaguejam, os americanos que se dividem em vinte ou trinta grupos (os pálidos, os republicanos, os que escapam, os que olham para um livro e dizem quantos exemplares vai vender e sabem que se enganam frequentemente, os que encolhem os ombros a toda e qualquer novidade, os que gostavam de «ser europeus», os que gostavam de «ser espanhóis», os que são americanos, os democratas, os enjoados, os super-enjoados, os que «não parecem» americanos, etc.). São os conspiradores de Frankfurt, os que ainda vêm e acreditam nesta coisa, um livro. Um livro, qualquer que ele seja. [cont]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Revista da imprensa.

por FJV, em 08.10.10

Logo de manhã.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mario Vargas Llosa.

por FJV, em 07.10.10

Mario Vargas Llosa. Prémio Nobel.

El Sueño del Celta / O Sonho do Celta,

o novo livro, em Novembro — na Quetzal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Frankfurt.

por FJV, em 06.10.10

A Feira do Livro de Frankfurt abriu hoje as suas portas; com a crise económica e as convulsões tecnológicas, são portas cada vez mais estreitas. Antigamente, sem mail nem a rapidez das comunicações, era uma feira “mais necessária”; hoje, os negócios fazem-se pela internet e as novidades circulam diariamente sem esperar pelo mês de outubro. No entanto, para lá das vaidades (cada vez mais caras, cada vez mais raras), há coisas que os editores têm em comum com os amantes de livros: o olhar. Olhar nos olhos, olhar nas páginas. Olhar um livro. Estão aqui 12 quilómetros de livros disponíveis – mas não interessam muito. O que Frankfurt hoje significa é isso: encontrar alguém que acredite num livro, num deles – e nos comunique esse entusiasmo. Essa é, ainda, a grande novidade.

[Na coluna do Correio da Manhã]

Autoria e outros dados (tags, etc)

É fazer as contas.

por FJV, em 06.10.10

Não tenho tempo para isso, mas seria interessante & produtivo analisar as declarações e juramentos dos ajudantes que, ainda há dois meses, insultavam quem fazia «uma leitura pessimista» (um eufemismo...) da situação económica — e agora se apressam a festejar a clarividência do chefe, que quer restaurar a confiança dos mercados, a confiança dos portugueses, a confiança da UE, a confiança das universidades americanas, a confiança dos alfaiates, a confiança, enfim (sobretudo porque poucos têm, já, confiança nele). E que, num arroubo sem premeditação e graça, diz — ao mesmo tempo — que daqui a uns meses vamos regressar ao TGV e ao «investimento público» (outro eufemismo). Há, na verdade, quem pense que governar é gerir dinheiro que «cai do céu» (outro eufemismo), gastá-lo abundantemente, endividar-se com generosidade em nosso nome — e manobrar para manter o poder a todo o custo, porque fora «do círculo do poder» (outro) não têm existência. Há. Mas o pior é que há gente que acha isso aceitável e normal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dos Passos.

por FJV, em 06.10.10

No fim de semana passado, num alfarrabista, comprei Três Soldados, um romance 500 páginas em muito bom estado e por apenas 6€. Faltava-me esse livro à lista dos títulos de John Dos Passos (1896-1970), sobre cuja morte passaram agora 40 anos. Dos Passos (além de ficcionista, foi jornalista, pintor e poeta) não faz parte da nossa galeria de leituras hoje em dia – o que é uma pena. Não apenas pela sua origem portuguesa (ele era um dos descendentes dos madeirenses do Ilinóis), mas também por ser um dos grandes nomes da Geração Perdida americana (com o pormenor de não ter caído nas armadilhas políticas de que Hemingway padeceu), e autor de Manhattan Transfer ou Paralelo 42 (publicados pela Presença), entre mais de cinquenta livros. A sua raiz portuguesa devia interessar-nos.

[Na coluna do Correio da Manhã]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Freedom.

por FJV, em 06.10.10

Freedom, de Jonhathan Franzen, foi anunciado como o grande romance americano da década. Comecei a folheá-lo num voo sobre o Atlântico que nos separa da América, mais do que da sua cultura – o retrato não é assim tão genial, mas é conhecido: uma classe média triste, desiludida ou apenas pantomineira e imatura, a viver nos subúrbios, como nos livros de Updike ou Yates. O que é curiosa é a sua, digamos, “mensagem”: os grandes valores americanos foram sendo destruídos e falta “espiritualidade” (visível na crítica de Franzen aos seus próprios personagens) à vida dionísiaca dessa classe média. É um retrato da geração que toma comprimidos para impedir o caos da sua vida, ou que sucumbe diante da necessidade de fazer escolhas. Lá como em outro lado, a vida não esta fácil.

[Na coluna do Correio da Manhã]

Autoria e outros dados (tags, etc)

República.

por FJV, em 05.10.10

Ao sol, uma caminhada de sete quilómetros. Algumas praias cheias de gente, assinalando o centenário da República (o Eduardo tem razão, deixem-se de preciosismos e leiam O Poder e o Povo, de Vasco Pulido Valente; e se quiserem saber porquê leiam, depois, o Portugal Contemporâneo, de Oliveira Martins, para conhecer os lustros anteriores) nos areais. Um último sol. Uma benção gratuita, boa para quem quer exercer o direito à preguiça no tempo regulamentar. Jornais espalhados. No Telegraph, Philip Larkin sobre o amor. Na Praça do Município, uns polícias à paisana, em nome da República arrancam máscaras de Darth Vader a manifestantes – antigamente também não se podia falar mal do dr. Afonso Costa. Todas as pessoas deviam usar máscaras enquanto se ouvem discursos pataratas. A sensação de que nos preparamos para os nossos melhores anos. Uma caminhada ao sol. Um milagre, o uso das pequenas coisas, dos heróis sem cosmopolitismo. As pessoas bebem cerveja numa esplanada. Um vento de Outubro. Vêm aí grandes batalhas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O cantinho do hooligan. Estás aqui, estás a precisar.

por FJV, em 05.10.10

Nada de grave com um empate com o Vitória de Guimarães. Mas, como se tinha dito aqui, irritam-me os golos não marcados por excesso de confiança. Fucile bem expulso. André Vilas-Boas não precisava de dizer o que disse: bastava-lhe reconhecer que as coisas são como foram.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Metas.

por FJV, em 04.10.10

Dá vontade de falar sobre o assunto. «Para as crianças do pré-escolar, com cinco anos, as metas prevêem que estas saibam contar até dez, reconhecer a sua identidade sexual, fazer jogos em computadores, recitar poemas, rimas e canções.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pois é.

por FJV, em 04.10.10

Coisas naturais e óbvias. «Penso que é um misto de falta de sentido de Estado, de ignorância, de voluntarismo e de teimosia e, porventura mais importante, de falta de convicção sobre o interesse geral.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Brasilula.

por FJV, em 04.10.10

Esperei muito por este momento. Está ainda actual — demasiado — o célebre artigo de Roberto Mangabeira Unger publicado na Folha de São Paulo a 15 de novembro de 2005 (o «15 de novembro» é a data da implantação da República no Brasil). A segunda volta, o segundo turno, é um castigo que ainda não tem decisão à vista (apesar de a imprensa portuguesa dar a vitória de Roussef por garantida, e as eleições uma espécie de pro forma).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bipolar.

por FJV, em 03.10.10

À atenção dos cavalheiros da UE — ele é bipolar e não sabe que estas coisas têm tradução simultânea. Antes e depois das eleições.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 2/2




Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.