Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Acasos, 10.

por FJV, em 04.03.10

 

Eddie Brickell & New Bohemians, «Circle»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Segundo aviso e ficamos por aqui, vê lá não te atravesses no caminho.

por FJV, em 03.03.10

Parece que certos e determinados indivíduos estão a despertar para uma explosão hormonal. Antes isso, que é benigno. Podes começar a correr que ainda me apanhas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quem não deve não teme.

por FJV, em 03.03.10

José Medeiros Ferreira, no Córtex: «O Google não terá tido problemas com as autoridades portuguesas para colocar em funcionamento o serviço Street View que mostra com detalhe ruas, quintais carros e matrículas. Mas já na Alemanha, e no Japão, a coisa não tem sido fácil. Aconteceu-lhes alguma coisa desagradável no passado? Vejam lá se aprendem connosco, cidade aberta, que também queremos ver as vossas caras e casas mesmo desfocadas! Quem não deve não teme, etc.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Princípios gerais.

por FJV, em 03.03.10

O comunicado do Conselho Superior do Ministério Público diz que o organismo «quer impedir a contaminação do Ministério Público por considerações de índole política» e não admite «que se insinuem motivações extra-jurídicas» em relação às suas decisões. Ótimos princípios. Quanto a não admitir, enfim, lá iremos. Vamos ler a imprensa dos últimos, digamos, dez anos?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mindlin.

por FJV, em 03.03.10

O nome de José Mindlin (1914-2010) é um antídoto contra a ignorância sobre o Brasil. A vida do paulista bibliófilo (e bibliómano) é, também, um antídoto contra a ignorância em geral — sobretudo de muitos dos seus pares e de quase toda a legião de letrados profissionais. Formado em direito, trabalhou toda a sua vida em outras áreas profissionais (tecnologia e empresas de investigação tecnológica, essencialmente); a bibliofilia ocupou-lhe tudo o resto. Como ele, outros bibliófilos ocuparam a biografia do Brasil dos anos cinquenta, sessenta e setenta, construindo bibliotecas pessoais que depois doaram (como o caso de Mindlin, que entregou as suas coleções à universidade), provando que há uma responsabilidade social dos ricos — a mesma que levou à formação de coleções privadas nos grandes arquivos brasileiros e à criação de fundações privadas com objetivos declaradamente públicos. A vida de Mindlin, um amigo de Portugal, é um exemplo de paixão pela bibliofilia, com a vantagem de não se ter deixado dominar pela paranóia da glória.

[No Almocreve, como de costume, links para saber mais.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Acasos, 9.

por FJV, em 03.03.10

 

Lloyd Cole, «Jennifer, She Said»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Borges.

por FJV, em 03.03.10

Obras de Borges pelos cafés de Buenos Aires. Sabem o que é a inveja?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Livros que fazem dançar.

por FJV, em 02.03.10

Lançamento em Lisboa, na noite de 5 para 6 de Março, no MusicBox, ao Cais do Sodré.

Com Rocky Marsiano e Dj Irmão Lúcia.

Mais informações aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Aviso por causa da moral.

por FJV, em 02.03.10

Olha lá, amiguinho, não te atravesses no caminho. Ficamos esclarecidos e nada de manobras.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Não, isto não quer dizer nada.

por FJV, em 02.03.10

Claro que há a internet e o acesso a «plataformas digitais». Mas vejo no Pordata (um instrumento maravilhoso; obrigado, António Barreto) que no ano 2000 houve 69.341 leitores na Biblioteca Nacional, contra os apenas 42.453 de 2008 (quase o mesmo número de 1962). Não, isto não quer dizer nada, eu sei.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Notas.

por FJV, em 02.03.10

Duas notas importantes de João Gonçalves: sobre os escritórios de advogados e sobre a fabriqueta de heróis de conveniência.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A história e o processo histórico.

por FJV, em 02.03.10

Lições de história vária; também em Portugal «há uma certa história que incomoda alguns adeptos do processo histórico».

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lady Chatterley.

por FJV, em 02.03.10
D. H. Lawrence morreu há 80 anos. O autor de A Serpente Emplumada teve a sorte de ser perseguido pelos seus textos mais “chocantes”, que lhe granjearam, além da fama, uma espécie de moral de tia moderna que gosta de conversar sobre a sua hiper-sexualidade frustrada. Além de O Amante de Lady Chatterley (de 1928) e de Filhos e Amantes, o seu génio está sobretudo na escrita de viagens e em alguns textos teóricos em que tenta mostrar que leu sobre psicanálise – além de uma poesia delicada e cheia de luz. Seja como for, a nossa vida seria diferente sem Mulheres Apaixonadas. Basicamente, e sem saber, escreveu para cinema: paisagens e lugares escolhidos a dedo e personagens em fuga, indefinidas e à procura de satisfação sexual. De qualquer modo, Lady Chatterley, hoje, está no poder.

[Na coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Acasos, 8.

por FJV, em 02.03.10

 

Aztec Camera, «Good Morning Britain»

Autoria e outros dados (tags, etc)

A natureza.

por FJV, em 02.03.10

Sismos e tsunamis. Vendavais e tempestades. Todos buscam explicações científicas para o assunto, e decerto que as há, conforme lemos nos jornais. A humanidade moderna habituou-se a uma Natureza controlada e benévola; os ciclos de desastres são concebidos como exceções num mundo mais ou menos perfeito e harmónico. Não é assim: a nossa relação com a Natureza é, também, trágica e feita de inimizades. Antigamente, aceitávamos esse diálogo trágico e violento como uma condição do nosso destino – as tempestades e as cheias eram periódicas e pouco comentadas; com a ciência e a técnica evoluindo até aos níveis que sabemos, julgávamos que a Terra era um lugar pacificado. Não é. Corpo vivo e revoltado, ameaçado, acossado, a Natureza surpreende os distraídos. E desprotegidos.

[Na coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Rock.

por FJV, em 02.03.10

Vale a pena conhecer Tiago Gomes, editor da revista ‘Bíblia’, uma espécie de fanzine artesanal e, na maior parte das vezes, difícil de ler. Nas Correntes d’Escrita, Tiago Gomes, poeta, leitor, e leitor voraz também, atirou-se ao problema de frente, diante dos doutores em poesia e de muitos equilibristas: que também faz letras para bandas de rock. Trata-se, diz ele, “de educar os músicos, que às vezes são um pouco bárbaros mas que também gostam de poesia”. Sem querer, provavelmente Tiago Gomes falou do essencial – os bárbaros estão às portas da cidade. Ou eles assaltam as ruas ou os educamos primeiro. Ensinemos-lhes poesia, por exemplo, que pode ser útil, ou comovente, ou mostrar o retrato do coração a preto e branco. Levar poesia ao rock não parece despropositado.

[Na coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 3/3




Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.