Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Kadoorie Mekor Haim.

por FJV, em 30.01.13

  

 

 

Matéria de romance pode ser esta, e os cenários vão do Porto a Bagdad e Xangai, passando por Singapura, por Tânger e pelas montanhas do interior de Portugal. Protagonista: o capitão Barros Basto (1887-1961), aliás Abraham Israel Ben-Rosh, foi o fundador da sinagoga Kadoorie Mekor Haim, uma obra notável que os portugueses desconhecem, e que domina a R. Guerra Junqueiro no Porto: Mekor Haim significa “fonte da vida”; Kadoorie é o nome de um judeu iraquiano que contribuiu decisivamente para a sua construção (Sir Elly Kadoorie mudou-se de Bagdad para Bombaim e daí para Hong Kong, onde viria a morrer num campo de prisioneiros japonês da II Guerra – o seu túmulo, em Xangai, foi estranhamente poupado pela ‘revolução cultural’). Singapura porquê? O primeiro rabino da sinagoga do Porto foi afastado para Bragança, daí para Port Said, no Egipto, e depois para Singapura, onde morreu e repousa. As montanhas de Trás-os-Montes e da Beira foram percorridas pelo capitão Barros Basto (cuja conversão ao judaísmo se fez em Tânger, porque a comunidade judaica de Lisboa a recusou) resgatando judeus portugueses a que a Inquisição impôs uma vida clandestina desde o século XVI – antes de o exército português o expulsar em 1937. A Kadoorie Mekor Haim, sede da comunidade judaica do Porto, é a maior sinagoga da península. Assinalaram-se no domingo os 75 anos da sua construção – é um património que devíamos festejar.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.