Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Daqui a cinco anos.

por FJV, em 24.01.11

Um texto fundamental de António Barreto, no Público:

«A nossa democracia ligou-se perigosamente aos favores concedidos e à demagogia providencial. Sem esquecer o facto de que a confiança nas instituições políticas, públicas e judiciárias, essencial à liberdade, estiola.O clima é mais importante do que o raio de sol ou o aguaceiro de passagem. Criar riqueza e favorecer o investimento é essencial, mas tal não se fará sem um novo enquadramento geral. Decretos e truques de cartola nada resolvem, sem a confiança dos cidadãos e dos agentes económicos. Sem certeza e estabilidade, as intenções e as oportunidades são miragens. Sem lealdade legislativa, ninguém, cidadãos ou empresas, pode planear as suas actividades. Uma boa estatística, que inebria os medíocres, será sempre contrariada pela seguinte, bem mais cruel.»

Autoria e outros dados (tags, etc)


10 comentários

Sem imagem de perfil

De henedina a 24.01.2011 às 13:49

"É um sistema, frequentemente legal, de cruzamento de interesses e favores, de benefícios e vantagens, ao qual ninguém, nos superiores órgãos..., parece querer realmente colocar um travão."
É uma verdade transversal e não só ao poder político e é esta corrupção legal que mina.
Há um estudo que diz que a inteligencia e os estudos são tão importantes na mulher como a sensualidade e ser bonita. Parece inocuo, mas não é, devia ser mais. Tb para homens e mulheres mais importante que a competencia é esta corrupção legal, dar "graxa" a pessoa certa, não criticar (pq ninguem gosta de criticas), a politica de eu não falo, não penso pela minha propria cabeça sou apenas uma boa executora do que tu pensas, (no caso das mulheres) acrescentado de, meu querido.
Sem imagem de perfil

De Rodrigo Sousa Castro a 24.01.2011 às 14:36

Pensando eu que desde 1997/2000, já havia um enquadramento geral para a política portuguesa, gostaria de perguntar a António Barreto de que enquadramento geral fala. Um país de soberania limitada como o nosso, pode dar-se ao luxo de ter a sua "inteligência" a fingir que em cada desvario opinativo descobre a pólvora..mas a realidade, como aliás António Barreto bem sabe, porque por ela se interessa nos seus estudos, è avessa às tiradas demagógicas e não se comove com elas..
Punir a corrupção e o nepotismo, pôr o Sistema de Justiça a funcionar, sobretudo no campo Cível, sanear as entidades reguladoras da economia, explicar a todos que as dívidas são para se pagar e deve pagar mais quem mais tem , reduzir drásticamente as mordomias do Estado e da Admnistração Local seriam algumas das muitas medidas práticas e exequiveis que dariam um novo enquadramento geral à depauperada democracia portuguesa. Não será por aí, por propostas de medidas concretas , e porque não exigências concretas, que temos que avançar dr. António Barreto?...
Sem imagem de perfil

De fernando antolin a 24.01.2011 às 17:55

Seria um excelente candidato nas próximas presidenciais. Teria o meu voto. Mas aposto que não quer...
Sem imagem de perfil

De Felipe Militão a 25.01.2011 às 03:33

Saudações tupiniquins. Estou a ler Blogs de outros países e mostrar o que tenho a dizer para o mundo em um contrexto geral.

Boas energias sepmre...
Sem imagem de perfil

De Amigos do Concelho de Aviz a 25.01.2011 às 15:53

A cultura deve ser preservada a todo o custo. Por isso peço desculpa por vir ocupar este espaço que é seu para, juntos, divulgarmos os IX JOGOS FLORAIS DE AVIS, cujo regulamento já se encontra disponível em www.aca.com.sapo.pt
Obrigado.
Fernando Máximo
Sem imagem de perfil

De Adolfo Contreiras a 25.01.2011 às 19:12

"A nossa democracia ligou-se perigosamente aos favores concedidos e à demagogia providencial"
De acrdo. E entendo que é precisamente a luta contra esse estado de coisas, e pela independência política face aos grupos económico-financeiros, habituados a fazer dos governantes seus moços de recados, que a actual situação política tende para a demagogia providencial.
E lamento que AB faça, actualmente, coro com os anunciam a necessidade de um " providencial".
De resto o catalogado 2Texto fundamentel" não passa de mais do habitual profissionalismo no jogo de palavras contra quem age.

Sem imagem de perfil

De mario botelho a 25.01.2011 às 19:52

Não compreendo porque é que este post não apareceu antes! Porque é que temos de esperar 5 anos?porque é que se "programa uma tal espera" ??? Terá sido assim tão essencial cumprir esse calendário!
Que chatice de pais onde se "repensa" e não se anda !!!
Sem imagem de perfil

De A NOSSA DEMOCRACIA PARECE O ESTADO NOVO a 25.01.2011 às 23:19

MAS Com Mais Carraças e mais gordas
A nossa democracia ligou-se perigosamente aos favores concedidos e à demagogia providencial.

os favores...o futuro que nos preparamos para construir e pelo qual seremos responsáveis perante as novas gerações...Mário I o Bochechas

este presente é de uma apagada e vil tristeza, talvez, como em tempo algum da nossa história

poderá alguém responsável negar esssa realidade

é um facto que a economia do país não progride
em 1964 sairam 84mil emigrantes
um tesouro sempre necessitado de mais divisas
é um drama que para sobreviver precisa do auxílio económico da europa...

a pesada burocracia o favoritismo a corrupção
por culpa da acção governativa

FAZ COMO EU DIGO NÃO FAÇAS COMO EU FAÇO optou por gravar os telefones......
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.01.2011 às 09:46

Cavaco????
Sem imagem de perfil

De C. Medina Ribeiro a 26.01.2011 às 10:38

Este texto de A. Barreto também pode ser comentado no blogue dele, o «Jacarandá» (http://o-jacaranda.blogspot.com/) ou, a partir das 13h, no «Sorumbático» (http://sorumbatico.blogspot.com/), onde ele é 'contribuidor'.

Em ambos, o autor costuma responder aos leitores.

Comentar post



Ligações diretas

Os livros
No Twitter
Quetzal Editores
Crónicas impressas
Blog O Mar em Casablanca


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.