Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Irlanda, 2.

por FJV, em 22.11.10

Nunca acreditei no Tigre Celta. Bebi demais, na Irlanda. Ouvi muita música, demais, na Irlanda. Quem leu Brendan Behan, Sean O`Casey, Bowen, Flann O`Brien, Liam O`Flaherty, Yeats, Kavannagh, Mahon, Seamus Heaney, a prosa de Colm Tóibín, Frank Ronan, Banville, sabe do que esta terra respira. Vestiram-nos de executivos na ponte aérea para Londres e nos intercontinentais para Boston, acolheram regras «continentais» (eles, que foram ilhéus de uma outra ilha), tentaram higienizar os muros da Factory, os jardins de Dun‘ Laghoire, as ruas de Cork, Clifden, Galway ou Sligo. Para fabricar o Tigre Celta estragaram uma parte da minha Irlanda. Mas um resto dessa Irlanda (a dos campos, a dos declives, a antiga) resiste sempre, como uma barreira silenciosa, uma tortura que não se diz noutra língua. Está aí o Tigre Celta. Armado.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.