Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Viver sob ameaça.

por FJV, em 26.09.10

Compreende-se perfeitamente a ameaça do primeiro-ministro; ele não sabe «o que fazer quando tudo arde» — a não ser jogar, e jogar bem, muito profissionalmente, para manter o poder, o que é relativamente fácil em Portugal. José Sócrates está preparado para esse jogo há muito e, melhor do que ninguém, sabe como ele pode ser sujo, frio, calculado. Frequentou uma boa escola e viu como os melhores se arredaram depois de considerarem o pântano; não vai na cantiga de Guterres, sabe como o poder lhe faz falta e rodeou-se de um exército eficaz, bem preparado e a trabalhar em rede. Mas os portugueses merecem estar submetidos a esta chantagem: detestam fazer contas, encarar factos, viver a sua vida. Vivem, há anos, num país que não existe: gastam muito para lá do que podem e recusam-se a fazer as contas mais óbvias; acreditam num destino superior que os salva sempre que se aproximam do precipício; entregam-se facilmente nos braços das melhores promessas, mesmo quando percebem que essas promessas não podem ser cumpridas; desculpam os pantomineiros com a existência de outros pantomineiros; aceitam a inevitabilidade da escravidão (a da última moda ideológica, a fiscal, a do Estado, a da que lhes cai melhor e lhes facilita a vida); querem existir em grande, mesmo quando sabem que não passa de fachada; cultivam o ressentimento, ao imitar os discursos dos chefes, uns rapazes malandrecos no tu-cá-tu-lá, cheios de lugares comuns. O resto não faz grande escola nem tem sucesso.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.