Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O riso suave.

por FJV, em 24.09.10

Admiro muito o espírito, digamos, contemplativo do Luís M. Jorge. Ele filia-se numa espécie de riso suave que vem de Montaigne e passa pelos conservadores e liberais ingleses. Os seus posts sobre o TGV são antológicos – resumem-se nisto: nada que o tempo não venha acertar, corrigir, decidir com sensatez. Falta sensatez aos optimistas portugueses, como diria Roger Scruton no seu último livro, The Uses of Pessimism.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.