Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Fronteiras da ficção.

por FJV, em 25.08.10

A literatura sobre a guerra colonial (a que agora sucede, finalmente, uma memória dos portugueses sobre África) teve momentos altos. António Lobo Antunes abriu caminhos originais nessa onda de romances que tentaram o retrato de uma época e de um trauma. Era necessário, até para que nos pudéssemos confrontar com o passado. Mas uma coisa é a aventura literária – e os testemunhos pessoais que ela transporta. Outra, diferente, é a falsificação que desfigura o registo real da guerra. A literatura sempre viveu de excessos – mas os homens verdadeiros vivem da sua memória, das suas feridas e da sua experiência. O conflito entre antigos militares e os relatos de Lobo Antunes tem a ver com isso. Se a literatura se coloca na trincheira da história, tem de respeitar a história.

[Na coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)




Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.