Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Começa hoje.

por FJV, em 05.01.09

Hoje é o começo. Estivemos um mês à espera deste dia, o começo verdadeiro de 2009, com aulas e trabalho a sério. Pelo meio assistimos a toda a espécie de previsões e fizemos as nossas, preocupadas e desconfiadas. Também ouvimos discursos sobre como vai ser difícil o ano. Parece que vamos «entrar em recessão na economia», expressão que não quer dizer nada para os portugueses que atravessaram o último mês – e que julgaram, na sua inocência, que já estavam em recessão. O resto foi dito pelo Presidente, na sua mensagem de Ano Novo: gastamos mais do que produzimos. Significa que o aperto vai ser grande durante estes meses, com menos luxos, menos gastos, menos euforia. Os cépticos tinham razão, como sempre. O que não faz deles pessoas mais felizes: apenas estavam preparados.

 

***

Falamos demais sobre o ano que aí vem – desenhamo-lo como o ano de todos os perigos. Todas as nossas previsões são más, quer na política, quer na economia. É um cenário cinzento, triste, pouco dado para explosões de entusiasmo. Há quem veja nisso vantagens, como se a crise económica tivesse chegado para nos despertar de um optimismo doentio e sem suspeitas, cheio de computadores Magalhães e de novas tecnologias que nos poupariam o sofrimento, o trabalho e o estudo. Eram paraísos artificiais, promessas que não deviam ter sido feitas. Desde há anos que se juntavam as peças deste puzzle. O optimismo a todo o custo é a face visível de uma crise mais profunda, a do carácter. Todas as mudanças positivas nasceram em momentos de grandes dificuldades.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ano que termina assim.

por FJV, em 29.12.08

O governo termina o ano em baixa. Primeiro, com a suspeita de que o presidente da República não vai deixar passar o Orçamento sem uma palavra; depois, com uma mensagem de Natal muito dispensável, em que José Sócrates vestiu a pele de um propagandista em vez de se apresentar como um estadista em que os portugueses confiassem – falando da crise no plural. A questão do Orçamento não é inocente. O governo e o PS quiseram a guerra com o presidente, “pondo-o no sítio”. Cavaco, que é discreto e não gosta de cometer o mesmo erro duas vezes, não deixará o pobre orçamento à solta e à mercê de operações de propaganda ou de “contabilidade política”. Os eleitores, na verdade, podem não confiar na oposição – mas começam a descrer de um governo que os trata como ignorantes ou patetas.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os velhos, sempre.

por FJV, em 24.12.08

Segundo parece, o “jantar de consoada” é cada vez mais encomendado de fora ou servido nos hotéis. Nas sociedades tradicionais, as festas tradicionais são essencialmente domésticas, caseiras, familiares – e Portugal está a mudar de hábitos. Não vem daí grande mal, a não ser a revelação de que as pessoas já não sabem nem gostam de cozinhar. Ou não têm tempo para isso, porque trabalham muito. Também não têm tempo para os seus velhos, e isso é mais grave: por esta altura, há famílias que entregam os seus velhos nos hospitais e dão, em troca, números de telefone falsos para não serem incomodados. Uma sociedade sem generosidade nem compaixão, fria e sem paciência – e com vergonha dos seus velhos, que incomodam e relembram que todos morremos e envelhecemos. É um retrato abjecto.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Psicólogos da treta.

por FJV, em 17.12.08

B., ao telefone, contou-me que a psicóloga tinha «explicado» ao seu filho, na escola, que a sua recusa em ler se devia ao facto de tanto a mãe como o pai trabalharem «no mundo dos livros». Tratava-se de «uma revolta», não tão violenta como a dos gregos, mas enfim, uma revolta contra a família, o totem & o tabu. Sugeri que mãe e pai deviam ir fumar charros para o quarto do filho, encher-lhe os ouvidos com death-metal e acid, queimar os clássicos gregos na varanda em cerimónias rituais ou projectarem filmes da Bücherverbrennung nazi, e por aí adiante.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Agitação.

por FJV, em 17.12.08

O ano editorial promete ser agitado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sapataria.

por FJV, em 17.12.08

Alguns jornais interrogavam-se, ontem, sobre se Muntadar al-Zaidi, o jornalista iraquiano que atirou um sapato a George Bush, era um herói ou um delinquente num país onde heroísmo e delinquência se cruzam várias vezes por dia. Trata-se, portanto, de uma pergunta deslocada, até porque um sapato não é propriamente uma pedra – e tem mais graça. Mas é um sapato. O gesto corre o risco de virar moda, se bem que as pessoas não achassem tanta graça se o sapato atingisse a cabeça de Hugo Chávez ou de Lula da Silva, ideologicamente protegidos contra o arremesso. Cada sapato tem a sua ideologia. E, desculpando-se o gesto hoje, quem sabe se não o justificaremos amanhã. Mesmo que o sapato de Muntadar al-Zaidi sirva apenas para mostrar que o presidente americano não passa de um alvo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Espírito das Leis.

por FJV, em 04.12.08

O que pede o Ministério da Educação? Que se cumpra a lei sobre “a avaliação”. Quem fez a lei? O governo e a sua maioria. A quem se dirige a lei? Aos professores. Os professores concordam com a lei? Não. É possível aplicar uma lei quando aqueles a quem ela se dirige não querem a sua aplicação? Não. Este imbróglio diz respeito a todas as leis, ou seja, ao “espírito das leis”, de que falava Montesquieu. Há quem pense que basta redigir uma lei para que a lei se cumpra; seria fácil, a um punhado de “pessoas esclarecidas”, passar um ano a produzir leis e três anos a mandar executá-las, fechando um ciclo eleitoral. Infelizmente, as leis dirigem-se a pessoas concretas que vivem em condições concretas, nem sempre as desejáveis. As “pessoas esclarecidas” às vezes não vêem isto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

CR 7

por FJV, em 03.12.08

O problema de Cristiano Ronaldo é que, há uns anos, um futebolista era um futebolista. Hoje em dia, é muito mais coisas: fala com abundância, conhece e pratica com senhoras, colecciona carros, não tem juízo nenhum em público. Mesmo assim, Cristiano Ronaldo é Cristiano Ronaldo e gostamos dele ou não – sendo ele como é. Os estetas acham-no de pechisbeque porque nunca escondeu a família, a vulgaridade ou a ambição. Preferiam-no cantor de ópera, sofisticado, mas ele é futebolista e ganha muito dinheiro. É o primeiro da sua família (humilde, simples) a ganhar dinheiro e a saber que é bom no que faz – e não tem vergonha. Com o tempo, talvez melhore e se torne mais discreto. Mas tem direito à sua euforia de miúdo: é o melhor do mundo com a bola nos pés. O que irrita os invejosos.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sei.

por FJV, em 05.11.08

Ah, queriam que eu comentasse a eleição de Obama. Sei. É bom, foi bom. Mas a história não acaba aqui; começa aqui, e Obama não é apenas um símbolo. É um presidente concreto; provavelmente, uma das coisas mais concretas que teve nos últimos tempos. Repito o que escrevi há um ano: «Estão a terminar anos de suplício para a consciência liberal; o fim desse período concluir-se-á com o adeus ao consulado de George W. Bush nos EUA.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Desporto olímpico.

por FJV, em 18.08.08

O desporto americano devia muito aos programas escolares e universitários, que formavam atletas disciplinados e com vontade de vencer. Com a crise da educação no seu auge e o clima de bagunça instalado nas escolas, os EUA perdem medalhas onde antes as ganhavam. Em Portugal, a escola detesta vencedores – acaba com o ensino da música, por exemplo, e não alimenta o desporto de rendimento desde a infância. Em outros países, o desporto é uma forma de promoção social – os jamaicanos, os quenianos e os romenos, por exemplo, trabalham para ser excepção e para terem um lugar no pódio. Uma coisa é fazermos dieta e irmos ao ginásio ganhar elegância para mostrar na praia; outra é alimentarmos a vontade de ultrapassarmos a mediania. Estamos a ficar sem ambição. Sem vontade de lutar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Pontal e o Chão da Lagoa.

por FJV, em 09.08.08

 

A última Festa do Pontal, ao que me contam, foi um prodígio de folclore, com Marques Mendes e L. F. Menezes disputando o mercado algarvio de sociais-democratas. Já o Chão da Lagoa, na Madeira, é mais exuberante. Manuela Ferreira Leite recusou ir aos dois ajuntamentos – e fez bem. Festas dessa natureza (as tais “da carne assada” que Pacheco Pereira se queixava de ter de frequentar para caçar votos, ai dele) podem ser dispensadas. São anunciadas pelas ruas e pelas praias tal como se apregoavam as touradas. Ângelo Correia, oportuno, vê na atitude de Manuela “o abandono do PSD” e vai discursar no Algarve para clamar por “ideias” – que, como se sabe, nascem nos arraiais. Uma coisa é certa: o partido escolheu Manuela para líder porque estava cansado do Pontal e do Chão da Lagoa.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Festa na Serra.

por FJV, em 07.08.08

O Acampamento de Jovens do Bloco de Esquerda começou ontem em São Gião, na Serra da Estrela, mas só hoje se iniciam os ‘workshops’, debates e animação restante. Das 17 às 19 há dois ‘workshops’ – um subordinado ao tema ‘Stencil/Subvertize’ e um outro com a designação de ‘Brinquedos Sexuais’ (amanhã é ‘Massagens’). Longe da pátria real, festejo a escolha e assinalo o horário, muito relaxante, quase crepuscular, diante do horizonte das montanhas, convidando à lassidão ou à contemplação. A rapaziada sabe o que é bom. Se há quem critique os programas da ‘jotas’ por tratarem de instrumentalizar e banalizar o pessoal que um dia gostaria de ser director-geral ou amanuense de nível superior, pois aqui está um exemplo de labor político original. Oxalá não se magoem. Nunca se sabe.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Crianças no meio do Verão.

por FJV, em 07.08.08

 

O país anda metido com o Verão à beira dos Jogos Olímpicos e entrou em Agosto com uma comunicação que lhe fez o Presidente da República – mas, algures numa estrada algarvia (a notícia vinha no Correio da Manhã), longe das primeiras páginas, que também mencionam o ataque que o fisco vai lançar por toda a Pátria, um pai abandona os seus dois filhos gémeos de 11 anos. Repare-se: não os entrega a alguém. Não. Deixa-os numa estrada do Algarve, de noite, entregues a si mesmos e à mais severa das solidões. Casos assim multiplicam-se, parece. O gérmen da maldade manifesta-se de muitas formas, mas imagino a solidão e a dor dos dois miúdos de onze anos que o pai acaba de expulsar do carro, a meio da noite – e acho que uma onda de pânico devia tomar conta de nós e mostrar-nos como perdemos a vergonha. Morremos aos poucos.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

São sinais, são sinais.

por FJV, em 07.08.08

 

O Verão não nos liga ao vazio mas à reflexão. Como estão as auto-estradas, os aeroportos e os hotéis? Como está a lotação dos restaurantes? Como está a ocupação do metro quadrado de praia? Para os “economistas comuns”, boas taxas de “cumprimento de férias” significam que a crise ainda não chegou, à semelhança do que pensava António Guterres com a sua observação pouco criteriosa sobre o número de telemóveis e a ida de portugueses para o Algarve. Isso significaria que andava dinheiro a circular. No entanto, há outra fórmula de cálculo, mais perversa e subtil, que parte do princípio de que as sociedades em vésperas da grande crise gastam o que não têm e esperam o que nunca há-de vir. É tremendo, mas tem sentido – mesmo que não agrade nas secretarias e à propaganda.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Comité Olímpico.

por FJV, em 31.07.08

Se há coisa que não entendo é o ar escandalizado dos vários mandarins e burocratas do Comité Olímpico Internacional diante das restrições à liberdade de circulação e informação impostas aos jornalistas estrangeiros que vão trabalhar na cobertura dos Jogos. Aliás, ninguém deve entender que se esperassem facilidades da China ou que os jornalistas e atletas pudessem, por exemplo, consultar a internet livremente; não podem. Aliás, nem nas cabecinhas dos negociantes dos Jogos Olímpicos isso passou alguma vez – para eles, desde que o negócio se faça e desde que a televisão não passe imagens das misérias e da repressão, os Jogos são um sucesso. Essa gente, habituada a não responder pelos seus actos, não merece confiança. Aliás, bem vistas as coisas, nem merecem os Jogos.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

O caso não terminou.

por FJV, em 23.07.08

Apesar de ter sido arquivado, o caso Maddie não terminou. Há aquela dúvida. Aquela – saber o que aconteceu com Maddie. A dúvida permanecerá por anos, inspirará várias ficções e será um caso estudado pelas polícias. Numa sociedade cheia de crispação e ressentimento, como a nossa, o caso acrescenta mais combustível aos sinais de revolta evidente contra as instituições (o Estado, as polícias, a justiça, a família, o jornalismo, por exemplo), que se acusam mutuamente mas em surdina. Poucos casos como este evidenciaram ódios e desleixos tão profundos e o perigo de misturar convicções e evidências no mesmo saco. O que mais sobram, agora, são dúvidas – e custa a crer como o poder político, manhoso, se distancia do assunto como se não fosse nada com ele. O caso não terminou.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Multiculturalismo.

por FJV, em 22.07.08

Passados alguns dias sobre o episódio da Quinta da Fonte, convém relembrar  – para lá da pedagogia do multiculturalismo que está agora a fazer-se pelas ruas – que: 1) foram feitos disparos no meio da rua, segundo imagens transmitidas pelas televisões; 2) as reportagens incluiram abundantes provas de posse ilegal de armas, prática e incitamento à prática de racismo, sem falar de suspeitas sobre tráfico de droga; 3) não se compreende que não tenham sido investigados eventuais abusos em relação ao rendimento mínimo garantido e à recusa em pagar 4,5€ de renda de casa; 4) a questão, aqui, não tem a ver com o multiculturalismo mas com questões básicas de segurança e de cumprimento da lei. 

O argumento multicultural tem servido para manter grupos numerosos de imigrantes legais e ilegais em guetos inqualificáveis, onde não há lei, não há segurança e  – portanto – não há Estado nem República. Aí, onde a autoridade do Estado se ausenta, nasce a lei da terra de ninguém, ou seja, a de quem tem mais e melhores armas e de quem consegue impor a sua vontade pela violência e pela intimidação. As vítimas não são as comunidades mas sim pessoas que não conseguem viver em paz, que não deixam os filhos sair à rua com medo de cairem nas cadeias de tráfico de droga e que não podem queixar-se à polícia. Isto explicar-se-ia mais facilmente se os teóricos do multiculturalismo andassem mais de transportes públicos e passassem umas noites nas ruas da Quinta da Fonte ou no Casal de São Brás.

Depois, não compreendo o argumento do respeito pelas suas «tradições, culturas e formas de ser diferentes». Nada a ver com isto. Agredir mulheres no meio da rua ou fazer disparos com armas de fogo não tem a ver com «tradições, culturas e formas de ser diferentes». Para mim, são portugueses. Devem ser vistos como portugueses. A começar por cumprirem a lei.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Choque tecnológico.

por FJV, em 18.07.08

Há dias, o ministro da Cultura prometeu que iria digitalizar todo o espólio de Jorge de Sena para que fique “ao alcance de todos os portugueses”. Há semelhantes propostas em relação ao espólio de Fernando Pessoa, evidentemente. Em breve alguém prometerá a digitalização do espólio de Teixeira de Pascoaes, de Vitorino Nemésio ou de Vergílio Ferreira. A febre digitalizadora promete ser democrática e vital para a cultura portuguesa – mas não é. Na verdade, Sena continua a ser ignorado enquanto autor impresso e Pascoaes, Nemésio ou Vergílio afastados da escola secundária. O ‘choque tecnológico’ pode disponibilizar os papéis dos escritores, antes apenas acessíveis aos investigadores e estudiosos – mas não providencia nem mais leitores nem mais leitura. É a tentação dos novos-ricos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Justiça.

por FJV, em 16.07.08

 

A justiça não pode ser feita com preconceitos. Um deles, o mais grave, é o da admissão prévia da culpabilidade dos suspeitos, ainda nem sequer acusados – uma espécie moderna de ressentimento e de maldade. Os casos Apito Dourado e Maddie são exemplos disso e de como a opinião pública pode perder a confiança nas investigações e na própria justiça. Chegámos a um impasse e regressámos ao ponto em que ‘as coisas vão dar em nada’. Por mais que o Ministério Público recorra automaticamente (como manda o PGR) fica a desconfiança sobre os métodos, as razões e os orçamentos gastos numa investigação que pode acabar afogada em desprestígio. A justiça tem de ser mais cuidadosa com o foguetório que lhe gasta os fundos, lhe malbarata a credibilidade e a associa a gente muito duvidosa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Amor às vezes.

por FJV, em 16.07.08

 

Um estudo concluído pela Universidade do Minho alertava ontem as consciências mais modernas da Pátria para o facto de 25% dos jovens entre os 15 e os 25 anos já terem sido vítimas de violência numa relação amorosa. Entenda-se: as moças, em larguíssima maioria. Essa violência inclui o ‘sexo forçado’ ou a violação, se bem que, para os energúmenos entrevistados (adolescentes a precisar de estaladas) o ‘sexo forçado’ não signifique ‘violação’. Aí está uma não-definição primorosa. Na ‘relação amorosa’ desta rapaziada cabem ‘sovas, murros e pontapés’. Não fico espantado ao ler os números nem as descrições. Tratados como ‘bons selvagens’ pela escola e pelo Instituto da Juventude, eles fazem tudo para merecer o atributo. O amor pode ser cruel, mas há coisas que escapam ao entendimento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ronaldo.

por FJV, em 16.07.08

 

O miúdo Ronaldo devia ter vergonha na cara, mas o império da FIFA dá-lhe razão. Ele acha que está a ser tratado ‘como escravo’ no Manchester e quer ir para Madrid, onde fica mais perto não se sabe bem de quê – mas o leitor sabe (sim, há escravos ricos – mas não exibem a sua fortuna). Se tivesse um agente à altura, ele estava quietinho em Manchester, de mordaça, com o pé em repouso e a ver repetições do Bonanza. O problema dos talentos portugueses que andam nas primeiras páginas dos tablóides é que não conseguem sequer os mínimos olímpicos da sensatez. Ronaldo está talhado para o quadro de honra do futebol mas, como outras estrelas que se perderam, sofre daquela maravilhosa tentação pela estupidez. Não é o seu talento que é imbecil – é a cabeça, que às vezes até marca golos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Verão espectacular.

por FJV, em 08.06.08

O Verão vai ser de primeira categoria. Depois do Portugal-Turquia sentei-me no sofá e ouvi as buzinadelas na rua. Julguei que, afinal, o Benfica tinha ganho o campeonato e olhei a medo pela janela – mas apenas vi uma fila de portugueses a festejar ruidosamente o primeiro resultado da selecção na Suíça. Festa brava. Se Portugal ganhar na quarta-feira, vai ser o delírio, porque passaremos à “fase seguinte”. Bem podem os camionistas prometer parar o país. Ele pára por si mesmo. Esta semana começam oficialmente as férias e há jogos às cinco da tarde. Depois vem a “fase seguinte” e, quando chegarem os Jogos Olímpicos, haverá televisão noite e dia (e vale a pena). Entretanto sairá a decisão definitiva da UEFA sobre o FC Porto e haverá mais festejos, de algum dos lados. Assim vamos.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Defesa do consumidor.

por FJV, em 30.05.08

O caso do vidente 'Prof. Bambo', que o CM tem acompanhado, não é melhor nem pior do que os dos bispos da IURD, que cobram dízimos e 'doações' em nome de Deus, mas é um exemplo a ter em conta. As 'vítimas', sem vergonha, queixam-se por 'terem sido enganadas'. O senegalês inventava amantes aos maridos e catástrofes que só ele podia evitar. No fundo, mais do que uma amostra de crendice, é uma espécie do artesanato africano da indústria 'psi' (que inventa depressões e traumas onde às vezes há só a natural dificuldade de viver) ou do chique astrológico ou tarológico, que tem honras televisivas e aparece bem vestido. Nestes casos (astrologia, tarologia, IURD ou videntes), penso que a DECO tem de intervir com urgência. O consumidor, ao pagar a factura, não pode ser defraudado.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

O voto de protesto.

por FJV, em 29.05.08

Houve anteontem muito burburinho sobre mais um artigo do Dr. Soares acerca da catástrofe que aí vem – e que só acontece porque não o ouviram em devido tempo, como de costume. Tal foi o burburinho que o PS teve de vir a terreiro dizer que os discípulos tinham essas mesmas preocupações do mestre, e que nem era preciso ele avisar – já sabiam as notícias. Soares diz que o voto de protesto (que irá parar ao PCP e ao BE, e mesmo ao PSD, que fala do social) faz falta ao PS nas eleições. Assim compreende-se a reacção do PS. Se o voto de protesto contra o governo dá votos, o partido fará campanha a bradar contra o Código de Trabalho, o esmagamento da classe média, as desigualdades sociais e a reforma da Saúde. Ou seja: estará nos dois lados das barricadas, de braço dado com o inimigo.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mistérios de Felgueiras.

por FJV, em 21.05.08

O juiz conselheiro Almeida Lopes, ex-presidente do Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) do Porto, foi ao tribunal onde se julga o “caso Felgueiras” e pôs tudo em pratos limpos: não há “saco azul” mas sim uma série de apaixonados da presidente da Câmara de Felgueiras, cheios de libido e de sentimentos humanos mas geralmente pouco atendidos pelos tribunais. Com as hormonas aos saltos, babando e cheios de ciúmes doentios, Horácio Costa e Joaquim Freitas ter-se-iam vingado de Fátima Felgueiras armando o processo que se conhece. Bom. Uma coisa é certa: Fátima Felgueiras veio ‘pin up’ do Brasil, mas nenhum argumento de Camilo Castelo Branco – que conhecia bem a região – é tão maravilhoso e suspeito como o denunciado pelo juiz amigo da autarca. O Minho guarda segredos deliciosos.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Aborrecidos, os professores.

por FJV, em 19.05.08

A Associação Académica da Universidade de Évora deu um ar da sua graça porque, imagine-se, a Universidade não esteve na disposição de antecipar a ‘pausa pedagógica’ para a semana da Queima das Fitas. Dito isto, vai haver exames e aulas durante os ‘festejos’. A rapaziada, muito patusca e cheia de indignação democrática, acha que os exames e o calendário escolar devem ser marcados ‘em consenso’ com os promotores da Queima – e protestam, dizendo que o Senado da universidade quer ‘arrasar-lhes a festa’. É uma pena que os professores sejam tão aborrecidos. Melhor era que fossem para a Praça do Giraldo dançar ao som de Quim Barreiros e andar de braço dado com forcados: aí sim, a Associação Académica da Universidade de Évora festejaria atitude democrática tão eminente. Assim vamos.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dicionário.

por FJV, em 19.05.08

Temo bastante que, ao falar-se de droga & toxicodependência, o pessoal abuse dos químicos. O IDT achou que, uma das formas de afastar das drogas os adolescentes, era explicar-lhes, no seu ‘site’, que ‘careta’ é aquele que não toma drogas, um ‘conservador’ empedernido, um menino da mamã, um betinho. Para isso, arranjou explicações plausíveis por parte de psicólogos e sociólogos que são muito bons em ‘experiências pedagógicas’ mas cujos resultados são maus. Na verdade, o calão da droga não é um instrumento pedagógico e um betinho não é, necessariamente, uma má pessoa. Pessoalmente, prefiro que um filho meu seja ‘careta’ em vez de ‘curtir com o pessoal ‘catita’ que consome ‘pólen’. Mas tendo em conta que o Ministério da Educação colaborou nisto,  tudo é possível. São os químicos.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

 

Adenda: entretanto, o Dicionário foi retirado do site do IDT.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pepêdê, pêéssedê.

por FJV, em 14.05.08

Santana Lopes terá, até ao fim da vida, um problema com o PSD: nunca há-de acertar-lhe com o nome. Nem decidir se se trata do PPD ou do PPD/PSD, coisas que já não existem. A sua ideia de que Manuela Ferreira Leite devia abandonar a corrida à liderança do partido por não confirmar se votou nele em 2005, é mais do que peregrina – é genial. Mas, como quase sempre, Santana engana-se no alvo e no pretexto: ainda não descobriu por que razão o PSD teve tão poucos votos naquelas eleições, sendo ele um génio e um grande talento. Ninguém ignora que Santana vai agora a votos por puro ressentimento: contra Sampaio, que o demitiu; contra os militantes do PSD que não o aplaudiram (como Cavaco); e contra os eleitores, que lhe fizeram um manguito. Se for por isso, é uma batalha perdida.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Beatificação.

por FJV, em 14.05.08

Dos 2200 processos de beatificação que ocupam teólogos e outros especialistas do Vaticano, 33 são de portugueses. O cardeal Saraiva Martins explicou ao CM que um desses processos (o da canonização dos beatos de Fátima, Francisco e Jacinta) não correu bem. Parece que o milagre que lhes foi atribuído “não se pode provar que seja um milagre”. Para os mais cépticos tratava-se de um caso de diabetes “curável com o tempo”. Basicamente, pede-se um milagre que seja mesmo milagre para poder avançar mais rapidamente com o processo. Sem querer, o cardeal, que é responsável pelas canonizações no Vaticano, lançou a dúvida fatal e o processo pode voltar ao princípio: à procura de um milagre que seja mesmo um milagre. É disso que andamos todos à procura, mas não necessariamente em Fátima.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Metas & objectivos.

por FJV, em 12.05.08

O senhor director da ASAE diz que o documento com metas para apreensões, detenções, encerramentos e outras operações, não era para ser divulgado – e que pertence apenas aos inspectores da sua organização. Estaline também tinha uma lista com quotas de fuzilamentos, prisões e assassinatos sumários – mas não a divulgava à imprensa. Em Moscovo era preciso matar 30 000, mais 20 000 em Kiev e por aí fora. Mao, na China, determinou que 5% da população era contra-revolucionária e mandou que se fuzilassem (depois aumentou o número, claro). O essencial era cumprir as quotas. Os inspectores da ASAE também serão visitados por eventuais mandaretes que irão averiguar o grau de cumprimento dos fuzilamentos, perdão, das detenções e encerramentos que figuram nos objectivos. E assim vamos.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds