Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O cantinho do hooligan. A novela.

por FJV, em 01.06.17

A novela do treinador é ridícula. Mas não é mais ridícula do que as anteriores – a escolha de Lopetegui (& as escolhas de Lopetegui), a escolha de Nuno, as «fugas de informação», a «aliança» com o Sporting, etc. Se Sérgio Conceição for o escolhido, é pena que – infelizmente – o seja pelas más razões, que se resumem numa: a necessidade de alguém que faça regressar ao FC Porto «o espírito do FC Porto». Acontece que esse espírito se perdeu há muito, com a avalancha de contratações estapafúrdias, o despautério financeiro, a falta de coragem para alguém dizer que os líderes têm prazo – de facto – de validade (e para que alguém lho diga), a mistura de assuntos privados com assuntos do clube, a promiscuidade entre família e famiglia. Portanto, chegados a esta altura, e como teremos de esperar que se chegue ao fim de mais um ciclo de liderança, o FC Porto precisa de um treinador. Precisaria de um treinador e de um cavalheiro ao mesmo tempo, figura em que encaixariam Bobby Robson ou André Villas-Boas (a coisa está tão pelas ruas da baixeza que até me lembro de Jesualdo), não apenas de um animador das hostes. E de um cavalheiro que perceba como o nosso futebol dançava nesses anos em que jogadores de segunda linha se transformavam em jogadores de primeira ordem. Alguma vez Paulo Ferreira e Nuno Valente deixavam cair a cabeça, para já não falar de Alenitchev, Derlei, Benny (aquele golo contra o Manchester, obra de arte), Capucho – ao lado de tipos que sempre foram naturalmente bons? E vai ser preciso. Que seja Sérgio Conceição não me assusta nem me indigna. Mas será um duplo trabalho – terá de ser ele a pôr na linha aquela gente e a dar mais velocidade à capacidade de reação do FC Porto frente à máquina demolidora e bem organizada dos adversários – e frente ao seu futebol.  

Autoria e outros dados (tags, etc)




Blog anterior

Aviz 2003>2005