Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Bastava ser mortal.

por FJV, em 15.05.17

 

Salvador Sobral: não vale a pena dizer mais nada. A sua canção (e de Luísa, a extraordinária e belíssima Luísa) comoveu a Europa mas, antes disso, comoveu os portugueses de todas as condições – e ele cantou-a em nosso nome, e em nome da melancolia portuguesa, perto do sublime, do arrojo e do despojamento. A vitória na Eurovisão nem é o mais importante, porque será submergida pelo folclore e pela contagem dos anos de humilhação sofridos por Portugal. O que é realmente importante é a simplicidade da vitória: no meio do plástico e da imundície, Salvador não teve de fazer grande esforço. Limitou-se a cantar uma canção que há de perdurar. Vejam-se os textos do Guardian, do Figaro e do Telegraph, que não são propriamente fanáticos do festival da Eurovisão – e que assinalaram a trapaça montada por Salvador (a melancolia, tão cativante, tão prometedora), aproveitando uma brecha e levando ao palco de Kiev uma canção que comoveu toda a gente. Nós, que fomos preparados para a derrota em todas as circunstâncias, nem acreditámos que era tão fácil. Que bastava ser mortal.

Autoria e outros dados (tags, etc)




Blog anterior

Aviz 2003>2005